Milho e sorgo tem limite de financiamento aumentado pelo CMN

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 19 de fevereiro de 2003 as 18:59, por: cdb

Conselho Monetário Nacional (CMN) aprovou hoje, durante reunião extraordinária, novo limite de financiamento de custeio para o plantio de milho e sorgo para a safrinha e regiões Norte e Nordeste. As regras estabelecem que o limite de financiamento do milho em regime de sequeiro passe de R$ 250 mil para R$ 400 mil, enquanto o irrigado sobe de R$ 300 mil para R$ 480 mil nos plantios realizados até o dia 15 de março. Com o aumento de 100 por cento no limite, o produtor de sorgo vai poder financiar em até R$ 300 mil para o plantio de sequeiro e de até R$ 600 mil quando a lavoura for irrigada, desde que os plantios ocorram até o dia 15 de abril. A medida vai possibilitar aos agricultores a ampliação em 60 por cento do limite de financiamento.

O ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Roberto Rodrigues, admitiu que os recursos saíram um pouco tarde, mas não a tempo de comprometer a plantação. “Antes tarde do que nunca”, frisou Rodrigues. O ministro disse que as últimas notícias vindas do setor são de que há um interesse muito grande no plantio do milho safrinha e do sorgo, e que por isso está “muito otimista” com o aumento da produção de milho de forma que venha a compensar os problemas de desabastecimento, em razão da safra de verão.

O ministro reafirmou que as essas medidas são para incentivar ainda mais o aumento da safra de milho e sorgo e, também, para facilitar a comercialização da colheita. “A nossa intenção é apoiar o produtor e estimular o aumento da área plantada de milho e sorgo para viabilizar uma nova expansão da produção de proteínas, o aumento das exportações e a recomposição dos estoques”, afirmou.

Roberto Rodrigues lembrou que as medidas lançadas pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva e aprovadas pelo CMN trazem grande inovação na política agrícola brasileira, como, por exemplo, a criação da Linha Especial de Crédito à Comercialização (LEC). Rodrigues adiantou que, a partir de agora, produtores, cooperativas e agroindústrias terão acesso a um volume maior de recursos para financiar a estocagem de milho e sorgo, a juros de 8,75 por cento ao ano.

O CMN aprovou também o zoneamento agrícola para o sorgo, que estabelece as regiões, o calendário e o pacote tecnológico que os produtores deverão seguir para obter o melhor rendimento da lavoura.