Mike Tyson é proibido de lutar em Las Vegas

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 30 de janeiro de 2002 as 01:19, por: cdb

O boxeador Mike Tyson teve negado, por 4 votos contra 1, nesta terça-feira o seu pedido de licença de pugilista pela Comissão Atlética de Nevada. Desta forma, Tyson não enfrentará o britânico Lennox Lewis, campeão mundial dos pesos pesados, versão Conselho Mundial de Boxe e Federação Internacional de Boxe, dia 6 de abril, no ringue do MGM Hotel, em Las Vegas, como foi anunciado dia 22, em Nova York, durante uma tumultuada entrevista coletiva.

O duelo mais esperado do boxe atual poderá ter como palco o estado de Michigan, onde Tyson lutou em 2000. Nova York deverá acatar a decisão de Nevada. Londres, na Inglaterra, é outra opção. “Não sou Madre Teresa, mas também não sou Charles Menson (assassino)”, afirmou Tyson. “Me julguem com justiça.” O lutador deixou o tribunal antes do veredicto, durante o recesso de dez minutos.

Shelly Finkel, empresário de Tyson, não quis comentar a decisão. Ele disse que vai se reunir com os empresário de Lewis já nesta quarta-feira. Quanto a Tyson, ele afirmou que seu pupilo “não ficou contente”. Dos cinco comissários, apenas Luther Mack, o mais experiente, votou a favor da liberação da licença. Amy Ayoub foi a mais agressiva. Ela chegou a dizer que não considerava Tyson uma vítima. O lutador, aparentemente calmo, respondeu: “A senhora não sabe nada sobre mim”.

Outro que atacou o ex-campeão foi John Bailey, que chegou a pedir os relatórios das sessões a que Tyson se submeteu entre 1998 e 2001. Flip Homansky, médico responsável pelos eventos pugilísticos em Nevada, criticou a atitude de Tyson na coletiva de Nova York. Já Tony Alamo não fez nenhuma pergunta ao pugilista.