Micros devem ficar mais caros por conta da fusão entre HP/Compaq

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 5 de setembro de 2001 as 19:28, por: cdb

De acordo com analistas de mercado, os efeitos da megafusão HP/Compaq não devem ser sentidos de imediato. As conseqüências a médio e longo prazo, entretanto, podem representar menos opções e preços mais altos para PCs e handhelds. Segundo a atual CEO da HP e futura principal executiva da nova companhia resultante da fusão, Carly Fiorina, o sucesso da empresa depende em grande parte da sua habilidade e foco no atendimento das grandes corporações – sem citar os consumidores pessoas físicas.

O chairman e CEO da Compaq e futuro presidente da companhia combinada, Michael Capellas, por sua vez, fez questão de enfatizar que os consumidores continuam sendo uma importante parte do foco da companhia. “Nós manteremos as linhas de produtos para os consumidores finais. Continuaremos a inovar seja na família de handhelds, na próxima geração de dispositivos sem fio ou em produtos no segmento de imagens e música digitais”.

Michael Capellas não deu detalhes mais específicos sobre o futuro da família de PCs Compaq Presario e da linha iPaq de handhelds, que competem diretamente com as marcas da HP, particularmente no segmento de varejo. Segundo um analista de mercado, uma coisa está clara em relação à fusão, que é a criação de um gigante do varejo. O mesmo analista acredita ainda que, juntas, as duas empresas dominarão o canal de varejo, passando à frente da Apple Computers, eMachine e Sony Computers, apesar de que a fusão deverá levar alguns anos para sua consolidação.

Já o instituto de pesquisa Gartner Group acredita que a marca da Compaq abandone as prateleira do varejo e se torne a opção para computadores corporativos, enquanto os PCs com a marca HP provavelmente serão sustentados como a marca para consumidores finais.

Mas, como prevêem os analistas, o resultado não deverá ser muito positivo para os consumidores. Isso porque, como apontam, o resultado provável de um número menor de concorrentes no mercado é a estagnação ou a subida dos preços dos PCs. Assim, eles prevêem que os fabricantes como Dell e IBM poderão ficar tranqüilos enquanto a HP estiver preocupada com a difícil tarefa de absorver a Compaq.

A Compaq perdeu US$ 279 milhões no ultimo trimestre, enquanto os lucros da HP caíram 89% de um ano para cá. Os executivos esperam que a nova empresa tenha uma posição mais vantajosa para competir no mercado e aumentar a margem de lucros, já que combinadas, a HP e Compaq deverão dominar um significativo pedaço do mercado de servidores, impressoras e soluções de armazenamento.