Metas atuais não limitam aquecimento a 2 graus Celsius, diz ONU

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 23 de fevereiro de 2010 as 12:14, por: cdb

 As promessas de redução de emissões feitas por 60 países não bastam para limitar o aquecimento global médio a 2 graus Celsius acima dos níveis pré-industriais, segundo um modelo divulgado na terça-feira pelo Programa Ambiental da ONU.

A meta de 2 graus C foi definida por cientistas para tentar evitar os efeitos mais catastróficos da mudança climática.

O novo modelo, feito por nove institutos de pesquisa, estima que as emissões de gases do efeito estufa deveriam ficar entre 40 e 48,3 bilhões de toneladas de CO2 ou equivalente até 2020, e que o valor deveria atingir seu auge entre 2015 e 2021.

Manter essa faixa e cortar as emissões globais de 48 a 72 por cento, entre 2020 e 2050, daria ao mundo uma chance “mediana” (ou “meio a meio”) de respeitar o limite de 2C.

O mesmo estudo, no entanto, prevê que o mundo deve superar essas metas de emissões, assumidas por países signatários do Acordo de Copenhague.

– As emissões esperadas para 2020 variam de 48,8 e 51,2 bilhões de toneladas de CO2-equivalente –, disse o relatório. Ou seja, mesmo no melhor cenário, em que todos os países cumpram suas promessas, o total de emissões ainda estará entre 500 milhões e 8,8 bilhões de toneladas acima do que os cientistas julgam tolerável.

Achim Steiner, diretor-executivo do Programa Ambiental da ONU, disse que a previsão sombria deve motivar os países a fazerem cortes mais ambiciosos.

– A mensagem não é sentar, se resignar e dizer que nunca vamos conseguir –, disse ele em Nusa Dua, na ilha indonésia de Bali, onde participa de um evento ambiental da ONU.

Segundo Steiner, há “outras opções que podem ser mobilizadas”, entre as quais a chamada Redução de Emissões por Desmatamento e Degradação (Redd), em que países pobres recebem dinheiro para preservar e ampliar suas florestas.

O Livro Anual do Programa Ambiental da ONU, também divulgado nesta terça-feira, se soma à defesa do Redd.

– Estima-se que colocar 22 a 29 bilhões de dólares no Redd reduziria o desmatamento global em 25% até 2015 –, disse o documento.

As florestas absorvem enormes quantidades de carbono, mas liberam esse material quando são derrubadas ou queimadas.

O Redd ainda não é parte do amplo tratado climático que a ONU pretende definir até o final do ano.