Mesmo com intensificação do policiamento, comércio fecha no Rio

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 11 de abril de 2003 as 16:33, por: cdb

O comércio da Rua Sá Ferreira, principal via de acesso ao Morro Pavão-Pavãozinho, em Copacabana, permanece fechado, por determinação do tráfico de drogas da região, ao contrário do informado anteriormente pelo 19º Batalhão da Polícia Militar. Algumas lojas que ficam na esquina com a Avenida Nossa Senhora de Copacabana, também fecharam as portas.

Na última quinta-feira (10), O traficante Jurandir Dias do Nascimento, o Caju, que comandava o tráfico na região morreu numa operação policial.

Caju foi apontado pela polícia como o responsável pelos recentes ataques ocorridos na Zona Sul, inclusive os da última quinta-feira (10), quando bombas foram jogadas em uma pizzaria e um laboratório no Leblon.

Foram deslocados para o local policiais de vários batalhões para aumentar o policiamento que está sendo auxiliado por homens do Grupamento Tático Móvel (Getam) e da Companhia de cães. Segundo o 19° Batalhão, a polícia vai permanecer nas ruas do bairro por tempo indeterminado para garantir a segurança dos comerciantes.

O enterro do traficante está marcado para às 16h, no Cemitério de Irajá, Zona Norte.

Nesta madrugada, embora a polícia não tenha registrado nenhum ataque, o clima de tensão foi ainda maior por causa das ameaças e mensagens atribuídas ao tráfico de drogas, para que lojas comerciais, restaurantes, hotéis e outros estabelecimentos permanecessem fechados.

Em função da semana agitada, a polícia voltou a fazer blitz em frente ao Shopping Rio Sul, em Botafogo, onde uma granada foi lançada na madrugada da última quarta-feira (9).

Os pontos de maior movimentação de turistas, como a estação de Bondinho do Corcovado, o Pão de Açúcar, entre outros, ruas de Copacabana, Ipanema, Leblon e até a Barra da Tijuca, receberam reforço policial.

Na Rua Pinheiro Machado, em frente ao Palácio Guanabara, sede do Governo do Estado, o tráfego ficou em meia pista e várias viaturas ficaram baseadas em seus acessos.

O policiamento nos acessos aos morros Cantagalo, Pavão e Pavãozinho, Chapéu Mangueira, Babilônia, Dona Marta e Cerro Corá, também foram reforçados, para impedir que bandidos deixassem a favela para praticar ataques na cidade.