Mercados sustentam otimismo

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 11 de abril de 2002 as 15:51, por: cdb

A cautela ainda predomina nos mercados, mas os números expressam um clima mais tranqüilo. O dólar comercial está cotado a R$ 2,2730 na ponta de venda dos negócios, em alta de 0,26% em relação aos últimos negócios de ontem. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) opera em alta de 0,75%. No mercado de juros, os contratos de DI futuro com vencimento em outubro, negociados na Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F), pagam juros de 18,220% ao ano, frente a 18,290% ao ano ontem.

Um dos principais pontos de incerteza para os investidores neste momento é o conflito no Oriente Médio, que vinha provocando uma alta do preço do petróleo no mercado internacional. Os contratos futuros de petróleo chegaram a cair 4% em Nova York, retornando a um nível próximo a R$ 25 o barril. A queda é favorecida pela afirmação do Irã e da Líbia de que manterão as exportações e pela expectativa de fim da greve geral na Venezuela.

Outro ponto importante é o cenário político interno. A decisão do PFL de votar ontem a Medida Provisória (MP) da energia em apoio ao governo foi bem recebida pelos investidores. Há muita expectativa em relação às próximas pesquisas de intenção de voto. Na última apuração, o presidenciável do PSDB José Serra confirmou o segundo lugar, distanciando-se com uma margem maior em relação ao terceiro lugar. Por outro lado, o candidato da oposição pelo PT, Luís Inácio Lula da Silva, ampliou a sua vantagem no primeiro lugar.

Como fato pontual desta quinta-feira, a Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) divulgou o Índice de Preços ao Consumidor (IPC). O índice caiu para 0,03% na primeira quadrissemana de abril, situando-se no piso das expectativas do mercado, que iam de 0% a 0,30%. Seu impacto só não foi maior porque ontem o mercado se frustrou com o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de março, que veio no teto das estimativas e atingiu 0,60%.

Os índices de inflação e as perspectivas destes números para os próximos meses atraem a atenção dos investidores. Vale lembrar que a política monetária é definida pelo cumprimento da meta de inflação que, neste ano, é de 3,5%, com possibilidade de alta ou baixa de dois pontos porcentuais. Na próxima semana, o Comitê de Política Monetária (Copom) vai analisar a Selic, a taxa básica de juros da economia, que está em 18,5% ao ano.

Mercados internacionais
Em Nova York, o Dow Jones – Índice que mede a variação das ações mais negociadas na Bolsa de Nova York – está em queda de 1,35%, e a Nasdaq – bolsa que negocia ações de empresas de alta tecnologia e informática em Nova York – opera com queda de 1,46%. O índice Merval, da Bolsa de Valores de Buenos Aires, está em queda de 1,39%.