Mercado prevê alta da inflação e mantém PIB para 2013

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 22 de outubro de 2012 as 09:56, por: cdb

A projeção de analistas do mercado financeiro para a inflação este ano continua em alta. A estimativa para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) subiu pela 15ª vez consecutiva, ao passar de 5,43% para 5,44%. Para 2013, a projeção foi mantida em 5,42%.

Inflação
A previsão da inflação subiu para 5,44% para 2012

Cabe ao Banco Central (BC) perseguir a meta de inflação que tem como centro 4,5% e margem de dois pontos percentuais para mais ou para menos. Ou seja, as projeções do mercado financeiro estão acima do centro da meta, mas abaixo do limite superior de 6,5%.

Um dos instrumentos usados pelo BC para influenciar a atividade econômica e calibrar os preços é a taxa básica de juros, a Selic, que na avaliação dos analistas, deve encerrar 2012 no atual patamar (7,25% ao ano).

Neste ano, haverá reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), que define a Selic, nos dias 27 e 28 de novembro. Para o final de 2013, foi mantida a expectativa para a taxa Selic de 8% ao ano.

A pesquisa do BC,  realizada com analistas financeiros, traduz a expectativa deles sobre os rumos da economia. É divulgada toda segunda feira por meio do Boletim Focus.

O boletim desta segunda-feira traz estimativa para a inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (IPC-Fipe), que foi ajustada de 4,48% para 4,56%, este ano, e de 4,91% para 4,83%, em 2013.

A expectativa para o Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI) foi ajustada de 8,8% para 8,45% em 2012. Para o Índice Geral de Preços de Mercado (IGP-M), a alteração foi de 8,49% para 8,37% neste ano.

PIB

Os analistas consultados pelo Banco Central (BC) mantiveram as projeções para o crescimento da economia. A estimativa para a expansão do Produto Interno Bruto (PIB), soma de todos os bens e serviços produzidos no país, é 1,54%, este ano, e 4% em 2013.

Para a produção industrial, a estimativa de retração este ano passou de 2,03% para 2,06%. Para 2013, a expectativa é que haverá recuperação, com a estimativa de crescimento ajustada de 4,25% para 4,2%.

A projeção para a relação entre a dívida líquida do setor público e o PIB permanece em 35,2%, este ano, e em 34%, em 2013.

A expectativa para a cotação do dólar ao final do ano passou de R$ 2 para R$ 2,01, tanto para 2012 quanto para 2013. A previsão para o superávit comercial (saldo positivo de exportações menos importações) foi ajustada de US$ 18 bilhões para US$ 18,09 bilhões, em 2012, e de US$ 14,48 bilhões para US$ 15 bilhões, em 2013.

Para o déficit em transações correntes (registro das transações de compra e venda de mercadorias e serviços do Brasil com o exterior), a estimativa foi mantida em US$ 56 bilhões, este ano, e passou de US$ 68,16 bilhões para US$ 65,9 bilhões, em 2013.

A projeção para o investimento estrangeiro direto (recursos que vão para o setor produtivo do país) continua em US$ 59,68 bilhões, em 2012, e em US$ 60 bilhões, no próximo ano.