Meirelles está de malas prontas para deixar o BC e ser candidato

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 25 de março de 2010 as 14:21, por: cdb

Presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, tem esse fim de semana para decidir sobre seu futuro político, mas assessores próximos ao ministro disseram a jornalistas que ele está de malas prontas para deixar o BC.

– Vamos aguardar a próxima semana, eu vou conversar com o presidente (Lula). Teremos também o fim de semana para pensar. E, como eu disse, em alguns tipos de decisão, algumas pessoas falam que só falta aí até o dia 2 de abril, eu falei, dependendo das circustâncias, isso pode ser uma eternidade, tem muito tempo ainda para pensar. Infelizmente acho que não vou ter tempo para tirar férias, portanto terei que pensar no assunto no fim de semana – disse Meirelles a jornalistas, na noite passada, ao ser perguntando se deve deixar o BC na semana que vem para poder concorrer às eleições de outubro.

Há meses o mercado aguarda a decisão de Meirelles sobre seu futuro político. Ele precisa deixar o BC até 3 de abril se quiser concorrer a algum cargo nas eleições de 2010. Seu nome tem sido cotado, principalmente, para disputar uma cadeira no Senado por Goiás ou tentar ser o vice da chapa da ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff (PT), na disputa presidencial

Uma fonte do governo, sob condição de anonimato, disse que a conversa entre o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e Meirelles ocorre já na segunda-feira. Em Goiás, a expectativa é de que Meirelles possa participar de um evento pré-marcado para terça-feira, no qual o prefeito de Goiânia, Iris Rezende (PMDB), deve se lançar candidato ao governo do Estado. Iris deseja o presidente do BC a seu lado disputando uma vaga ao Senado.

Um ministro de Estado disse a jornalistas que Meirelles estaria de malas prontas para deixar o BC. Outra fonte, que conversou nesta quarta-feira com um ministro da área econômica, foi na mesma linha. Este último afirma que o presidente do Banco Central deixaria a instituição, mas só decidiria seu futuro político mais tarde.