Médico italiano diz que colega norte-americano roubou método de clonagem

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 26 de novembro de 2001 as 12:52, por: cdb

O especialista italiano em fertilidade Severino Antinori acusou na segunda-feira os pesquisadores dos Estados Unidos que clonaram um embrião humano de roubar sua idéia, e disse que também clonaria um embrião para propósitos reprodutivos nos próximos seis meses.

A empresa de biotecnologia Advanced Cell Technology Inc. (ACRT), comandada pelo vice-presidente Joe Cibelli, anunciou no domingo que tinha clonado o primeiro embrião humano para obter células-tronco importantes para o tratamento de doenças.

“Ele (Cibelli) roubou a minha idéia. Eu ensinei essa metodologia ao Cibelli”, disse Antinori à Reuters em uma entrevista por telefone. “O projeto de Cibelli é meu projeto. Eu o encontrei em agosto e depois de conversar com ele, convenci-o a continuar com a pesquisa dele”.

No entanto, o ginecologista que mora em Roma disse que a novidade iria acelerar suas pesquisas. “O próximo passo é ajudar 150 milhões de homens sem espermatozóides que querem ter filhos. A descoberta irá tornar isso mais fácil”, afirmou o médico, criticado mundialmente pelos planos de clonar humanos.

“A clonagem é uma realidade, e as pessoas vão entender que é um direito humano usá-la para ter filhos. Agora vou clonar um embrião humano para propósitos reprodutivos dentro de quatro ou seis meses”, disse ele, acrescentando que já estava trabalhando com casais interessados em participar dos estudos.

Antinori informou que uma atitude “fundamentalista” na Europa diminuiu o ritmo dos estudos, mas ele espera continuar seu trabalho na Grã-Bretanha, apesar das tentativas de proibir a clonagem humana.

“Eles vivem nos tempos de escuridão na Europa, é como o Taliban”, afirmou Antinori. “Neste momento, a clonagem ainda é legal na Grã-Bretanha e espero que isso não mude”.

As normas britânicas sobre a clonagem ficaram confusas depois que a Suprema Corte avisou que as leis atuais não proibiam explicitamente a clonagem humana para reprodução. Contudo, o Ministério da Saúde decretou uma lei de emergência na quinta-feira proibindo a reprodução através da clonagem.

“Estou feliz com esse avanço na clonagem, mas agora quero lutar para o reconhecimento de que meu trabalho foi o primeiro”, disse ele.