Marta e Alkmin aparecem empatados em pesquisa de opinião

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 17 de fevereiro de 2008 as 12:43, por: cdb

Na disputa pela prefeitura da maior capital brasileira, o ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB) e a ministra Marta Suplicy (PT) apareceram nos primeiros lugares, tecnicamente empatados, segundo pesquisa do Instituto Datafolha, divulgada neste domingo, uma das primeiras a oito meses das eleições municipais. O atual prefeito, Gilberto Kassab (DEM), aparece em terceiro, também tecnicamente empatado com Paulo Maluf (PP) e Luiz Erundina (PSB). A margem de erro da pesquisa, que ouviu 1.092 pessoas no dia 14, é de três pontos percentuais para cima ou para baixo.

Alckmin, na pesquisa, aparece com 29% das intenções de voto, enquanto Marta reúne 25% das intenções de voto. Kassab obtém 12%, Maluf, 10% e Erundina, 8%. Nenhum deles teve crescimento ou perda de intenções de voto clara, apenas dentro da margem de erro. Na pesquisa anterior, de novembro, Alckmin tinha 26%, Marta ficava com 24%, Kassab obtinha 13%, Maluf recebia os mesmos 10% e Erundina, 9%.

Diretor-geral do Datafolha, Mauro Paulino afirmou ao diário paulistano Folha de S.Paulo que Alckmin e Kassab “dividem os votos” e “isso beneficia Marta” porque disputam eleitor com o mesmo perfil. A pesquisa também mostra que, se Alckmin ficar fora da corrida eleitoral, Marta assumirá a liderança, obtendo 32% das intenções de voto, enquanto Kassab recebe 19%. No cenário sem Kassab, Alckmin conquista 34% das intenções de voto e Marta fica com 28%. Como a disputa pela prefeitura da capital paulista tem colocado em confrontação Alckmin e o atual governador, o também tucano José Serra, que apóia Kassab como candidato, caciques de ambos os partidos temem pela aliança PSDB-DEM.

A maior rejeição do eleitorado é a Maluf, com taxa de 52%, seguido por Marta (28%), Kassab (26%), Erundina (21%) e Alckmin (14%). Em um segundo turno, segundo esta pesquisa, Alckmin venceria a disputa tanto contra Marta quanto contra Kassab, por 52% a 40% e 59% a 26%, respectivamente. Marta bateria Kassab por 50% a 39%.