Marta diz que greve é “irresponsável”

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 8 de abril de 2003 as 12:25, por: cdb

A prefeita Marta Suplicy disse nesta terça-feira que vai agir com rigor contra o Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Ônibus de São Paulo, a quem classificou de irresponsáveis por paralisar totalmente a circulação de ônibus na cidade e depredar veículos.

Só este ano, em três meses, a capital paulista já enfrentou nove greves de ônibus, quase que superando o total de paralisações ocorridas em 2002, que foram sete. Em entrevista ao Bom Dia São Paulo, da TV Globo, a prefeita afirmou categoricamente que a greve é ´política´ e que não cederá às pressões do sindicato, onde, lembrou, haverá eleição no próximo mês, e que as multas diárias pelo não cumprimento das decisões da Justiça do Trabalho não serão anuladas.

“Espero que seja a última grande greve para pôr ordem no sistema de transporte da cidade. Não estamos discutindo sindicato ou má empresa ou gângsteres, estamos discutindo a mudança no sistema e é isso que eles não querem. Querem que as empresas podres continuem atuando na cidade”, declarou.

A prefeita explicou que decidiu agir com rigor ao retirar nove empresas do sistema de transporte da cidade porque essas viações atrasavam o pagamento de salários, de direitos trabalhistas e vinham prestando um péssimo serviço à população, com ônibus sem as mínimas condições de uso tanto pelos usuários como pelos próprios trabalhadores.

Para ela, a greve é uma reação dessas empresas e ela só não entende como os funcionários aceitam ficar ao lado desses maus empresários.

A prefeita de São Paulo também não se conforma com o que classificou de ´omissão da polícia´ no caso das depredações de coletivos que aconteceram nesta segunda-feira e na manhã de terça em São Paulo. Ela frisou que ontem já havia pedido providências ao governador Geraldo Alckmin, que chegou a dar ordens no sentido de que o patrimônio público e particular fosse preservado. Na opinião dela, parece que as determinações não foram atendidas.

“É um caso de polícia. A polícia está sendo omissa. Não fez nada ontem para evitar a depredação de cem ônibus e não está fazendo nada para cumprir a determinação da Justiça hoje. A polícia não está agindo contra o vandalismo e a depredação de ônibus”, reclamou.

Ela destacou ainda que a cidade está pagando um alto preço para mudar o atual sistema de transporte coletivo, mas que os benefícios poderão ser sentidos pelos passageiros já a partir do segundo semestre

Marta lembrou que o Sindicato dos Motoristas não está cumprindo a determinação do Tribunal Regional do Trabalho (TRT), que determinou que 80% dos ônibus da cidade circulassem no horário de pico e 70% nos demais horários. A multa diária estipulada é de R$ 200 mil.