Marrocos condena dez extremistas islâmicos à morte

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 12 de julho de 2003 as 17:42, por: cdb

A Justiça marroquina condenou à morte 10 pessoas, acusadas de integrarem o grupo radical islâmico Salafia Jihadia, suspeito de envolvimento nos ataques suicidas ocorridos em Casablanca no último mês de maio.

Nenhum dos condenados foi acusado de envolvimento direto nos ataques suicidas ocorridos em Casablanca que mataram mais de 40 pessoas. Os acusados já estavam presos aguardando julgamento por assassinatos e por pertencerem a uma gangue criminosa quando ocorreram os atentados.

Os advogados dos condenados disseram que seus clientes não receberam um julgamento honesto e que vão recorrer da sentença.

Ataques

Salafia Jihadia vem sendo identificada pelas autoridades marroquinas como a principal organização por trás dos ataques de Casablanca. Dois acusados de serem os líderes do grupo estão no grupo dos condenados a morte.

Um deles, Youssef Fikri, confessou que havia matado um homem, por ele ser homossexual, e outro por ter dito coisas desrespeitosas sobre o islã. A confissão ocorreu cerca de um mês antes dos ataques suicidas, quando Fikri já estava na prisão.

As mortes, segundo o correspondente da BBC Sebastian Usher, faziam parte da política do grupo de impor a interpretação que faziam do islã a uma vizinhança pobre nos arredores de Casablanca, local onde viviam.

Além dos assassinatos, o grupo é acusado de praticar outras atividades criminosas como seqüestros, roubos e incêndios propositais.