Marina critica ‘apologia do medo’ ao se lançar candidata à Presidência

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 11 de abril de 2010 as 18:06, por: cdb

A pré-candidata à Presidência da República Marina Silva disse neste domingo, durante a pré-convenção do Partido Verde (PV), que sua candidatura vai debater propostas para o Brasil, sem fazer “apologia do medo”. Medo, segundo ela, criado por quem pretende dividir ou entregar o Brasil.

– Os brasileiros venceram o medo. E eu espero que, depois de tanta luta de democracia, a gente não faça agora, nessas eleições de 2010, a apologia do medo. Não podemos mais e não precisamos mais ter medo – disse Marina.

Voltando a dizer que o Brasil não precisa de “gerentões”, mas de uma visão estratégica, Marina afirmou que o PV não pretende centrar seu discurso na figura de um único candidato. 

– Não se deve ter uma relação, na democracia, de pessoas com biografias tão respeitáveis, como se fôssemos inimigos. O debate não é em torno de Lula, da Dilma, do Serra e do Ciro. O debate tem que ser feito em torno do Brasil, dos desafios do Brasil – acrescentou.

A pré-candidata, que hoje usou muito a expressão “união”, também negou que seu discurso esteja alinhado ao do PSDB.

– Essa é a linha mestra do meu discurso, sempre. Desde o início, quem colocou que o Brasil deveria discutir propostas e não fazer embate foi a nossa candidatura – afirmou.

Ela acrescentou que o PV não pretende fazer plebiscito entre o passado do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, ou mesmo discutir currículos.

– Isso não é visão estratégica de país – afirmou Marina, ressaltando que o PV pretende fazer um processo político.

Como propostas de governo, Marina destacou temas como a educação, segurança e sustentabilidade.

– A melhor forma de nos unirmos é em torno das propostas que nos levam para novos desafios: o de uma economia de baixo carbono, de segurança para que os brasileiros não se sintam presos em suas próprias casas e de uma educação de qualidade, não apenas como um direito, mas como a principal alavancadora de desenvolvimento econômico e social – destacou.

Durante a pré-convenção, o PV apresentou seus pré-candidatos ao governo de São Paulo, Fábio Feldman, e ao Senado, Ricardo Young.