Manifestantes querem o fim da concessão da Rede Globo

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 2 de abril de 2015 as 13:32, por: cdb
O objetivo dos protestos é pelo fim dos direitos de transmissão da emissora, que está no ar há 49 anos
O objetivo dos protestos é pelo fim dos direitos de transmissão da emissora, que está no ar há 49 anos

 

Cerca de 10 mil pessoas protestaram em frente à sede da Rede Globo de Televisão, segundo estimativa dos organizadores do evento. Ainda não houve informações por parte da Policia Militar. O protesto foi marcado pelas redes sociais em frente as sedes da emissora do todo o país. Em São Paulo, o protesto reuniu cerca de 2 mil pessoas em frente à sede da emissora. Já em Porto Alegre, a manifestação foi maior e os organizadores informaram mais de 20 mil pessoas. O objetivo dos protestos é pelo fim dos direitos de transmissão da emissora, que está no ar há 49 anos.

O dia primeiro de abril é conhecido pelo dia da mentira, por isso os organizadores disseram que não havia ocasião melhor para representar a Rede Globo. A cassação da concessão de uma emissora é um processo simples, que pode ser feito por qualquer cidadão, instituição ou sindicato, perante a constituição. Basta que seja protocolado o pedido e enviado à Presidência da República ou ao Ministério das Comunicações e quem dá a palavra final é o ministro das Comunicações.
Os motivos devem ser descritos e claros, e a decisão não pode ser recorrida. Por ser a maior rede de televisão do país e uma das maiores do mundo, a emissora possui uma capacidade sem paralelo de influenciar a cultura, a política e a opinião pública. Desde a sua fundação, a empresa possui um longo histórico de controvérsias em suas relações com a sociedade brasileira, que vão desde seu apoio ao regime militar até a influência em eleições presidenciais do período democrático, como em 1989.
“A história nos mostra que a Rede Globo é uma inimiga da democracia, apoiando o golpe militar (cujo a mesma já admitiu essa informação), sabotou as eleições de 1989 elegendo Collor, sonegou impostos milionários em 2002 na Copa do Mundo e hoje conspira contra a democracia”, diz o manifesto.
Os manifestantes encenaram o que classificaram como “enterro simbólico” da Globo, pediram mais rigor nas apurações sobre o envolvimento de grandes empresas de comunicação no esquema de evasão fiscal e divisas em contas do HSBC na Suíça, no caso que ficou conhecido como SwissLeaks.
Membros da Frente Internacionalista dos Sem Teto (Fist), moradores da comunidade do Horto (vizinha ao Jardim Botânico) e cerca de 40 ex-moradores de uma ocupação da Companhia Estadual de Águas e Esgotos (Cedae) também estiveram presentes.
De acordo com o site Blastingnews, o ato também seria a favor da redemocratização da mídia. Houve ainda um princípio de tumulto no início da noite, quando algumas pessoas ameaçaram invadir a sede da emissora.Na quarta-feira, por volta das 14 horas, um grupo menor, com aproximadamente 50 pessoas, mobilizou a mesma manifestação em frente à sede da Rede Bandeirantes, localizada em Botafogo, na Zona Sul.A diretora da Federação Nacional dos Petroleiros (FNP), Fabila Mônica, afirmou que os veículos fazem uma “lavagem cerebral no povo brasileiro”. “Se aproveitam da ignorância política das pessoas para pedir justiça, enquanto eles mesmos sonegam trilhões”, ponderou.