Manifestantes dominam “capital vermelha” da Tailândia

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 29 de abril de 2010 as 10:15, por: cdb

Longe das luzes de uma capital cercada por manifestantes, o acuado governo tailandês tem outro problema diante de si. O persistente movimento dos “camisas vermelhas”, que pleiteia a renúncia do primeiro-ministro Abhisit Vejjajiva, tem suas raízes no nordeste da Tailândia, onde o governo é mais impopular.

– Esta é a capital dos camisas vermelhas – disse Wicharn Phanor, taxista de Udon Thani, capital de uma província agrícola cuja população fala um dialeto que é mais bem compreendido no vizinho Laos do que na distante Bangcoc.

– Quase todo mundo aqui é camisa vermelha – disse ele, com orgulho.

Perto dali funcionou no passado uma base aérea norte-americana, durante a Guerra do Vietnã. Hoje, seus animados bares e hotéis são uma lembrança daquela época.

O movimento oposicionista diz ter 400 mil filiados registrados na cidade, onde dezenas de milhares de pessoas participam regularmente das manifestações. Em 10 de abril, os ativistas ocuparam por dois dias a prefeitura, protestando contra a repressão militar a seus camaradas na capital.

A rebelião parece estar se espalhando. Os “camisas vermelhas” daqui e de pelo menos seis outras províncias bloqueiam estradas para impedir que comboios militares e policiais cheguem a Bangcoc, pois temem que isso precipite uma ação contra os manifestantes que há 27 dias ocupam um elegante bairro comercial da capital.

Em muitas das províncias, as forças de segurança estão em menor número e parecem não ter condições nem vontade de enfrentar os protestos.

– Achamos muito melhor tentar negociar – disse um policial local, pedindo anonimato.

Muitos “camisas vermelhas” são seguidores do ex-premiê Thaksin Shinawatra, um magnata populista, já condenado por corrupção e hoje no exílio, que é odiado pelas elites de Bangcoc.
Thaksin foi derrubado por militares em 2006, mas ainda hoje é muito popular graças a medidas como empréstimos subsidiados e atendimento médico pelo preço de uma tigela de macarrão.