Manifestantes derrubam estátua de Bush em Londres

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 20 de novembro de 2003 as 22:48, por: cdb

Manifestantes derrubaram hoje uma estátua improvisada do presidente norte-americano, George W. Bush, em Trafalgar Square, famosa praça no centro de Londres. O protesto, organizado pela coalizão “Stop the War” (Pare a Guerra), ocorreu durante a tarde e foi uma simulação simbólica da derrubada da estátua de Saddam Hussein após a tomada de Bagdá, em abril.

De acordo com os organizadores do protesto, que também critica a guerra no Iraque, mais de 200 mil pessoas participam da passeata no centro de Londres. Segundo a polícia, que diz que o número de manifestantes chegou a apenas 30 mil, cerca de 50 prisões foram realizadas durante os dois dias de protesto.

Policiais afirmam que, embora a passeata tenha reunido muito mais pessoas, o segundo dia foi muito mais calmo que o anterior. Há pelo menos 5 mil policiais pelas ruas da cidade, além dos seguranças americanos responsáveis apenas pela proteção de Bush.

Antiguerra

Conforme manifestantes entrevistados pela BBC Brasil, a passeata é um protesto contra a política externa dos EUA e contra o apoio britânico a essa política. “A guerra começou sem a aprovação de ninguém, e a gente continua não aprovando”, afirmou a estudante brasileira Ingrid Gerolimich, que veio da cidade de Oxford para a passeata. “Essa guerra é, na verdade, econômica, e a gente veio protestar contra isso”.

Para Ingrid, a manifestação deve mudar a política britânica, já que mostra a perda de apoio popular ao primeiro-ministro Tony Blair. O aposentado britânico Harold Hoof concorda com a brasileira. “O que eles (Bush e Blair) estão fazendo não é solução para o problema. E Blair já perdeu apoio dos britânicos”, disse.

Hoje, segundo dia completo da visita de Estado do presidente dos EUA à Grã-Bretanha, Bush se reuniu com Blair pela manhã. Em seguida, durante entrevista coletiva, os dois líderes reafirmaram a determinação dos dois países de insistir no “combate ao terrorismo”.