Manifestações contra a guerra ocorrem em todo o mundo

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 29 de março de 2003 as 12:30, por: cdb

Os protestos contra guerra continuam em todo o mundo. Em vários países, nesta sexta-feira – dia sagrado para os muçulmanos – várias manifestações ocorreram, algumas pacíficas, outras marcadas por atos de violência, seja por parte dos manifestantes ou da polícia.

Irã

Centenas de iranianos jogaram pedras e quebraram os vidros da embaixada da Grã-Bretanha em Teerã, durante manifestação contra a participação britânica no Iraque junto aos Estados Unidos. Cerca de mil manifestantes chegaram diante da embaixada britânica depois de ter participado, junto a milhares de pessoas, na maior demonstração contra a guerra no Iraque, realizada até agora no Irã.

Itália

Pelo menos cem ativistas antiguerra bloquearam o acesso a uma refinaria da ENI na região central da Itália durante três horas, prejudicando o desembarque de petróleo. “Paralisamos o acesso à instalação, bloqueamos estacionamentos e seguramos uma faixa pela paz dizendo: Coloque areia, não óleo, nos motores na guerra”, disse Francesco Auletta, um dos manifestantes, na refinaria em Stagno, na Toscana.

Mais tarde, uma porta-voz da ENI confirmou que houve uma manifestaçã, sem dar mais detalhes. Em uma outra manifestação, ativistas antiguerra queimaram ao menos 10 carros da Ford, de fabricação norte-americana, e deixaram um cartaz dizendo: “Sabote a guerra imperialista”.

Argélia

Milhares de argelinos foram novamente às ruas de várias cidades para expressar seu repúdio à guerra no Iraque, queimando bandeiras norte-americanas e britânicas e acusando de genocídio os Estados Unidos e o Reino Unido. A maior manifestação aconteceu em Constantina, no leste do país, onde milhares de jovens saíram às ruas pela segunda vez esta semana levando bandeiras iraquianas e grandes fotografias de Saddam Hussein.

Em Argel, onde a tensão é perceptível, a polícia aumentou seus efetivos para evitar que haja novas manifestações, já que estas estão proibidas desde 2001 por causa da revolta da população berbere de Cabília. Em Oran, ontem, um grupo de jovens apedrejou o Consulado Geral da Espanha, e acabaram repelidos pela polícia, em protesto contra o apoio do Governo espanhol aos Estados Unidos.

A missão diplomática iraquiana em Argel informou sobre a chegada de vários voluntários que desejam ir ao Iraque para combater ao lado dos “fedayines” internacionais. Um grupo de deputados da oposição tentou se manifestar novamente na quinta-feira em frente à embaixada dos Estados Unidos, mas também foi repelido pelos efetivos da polícia que protegem o edifício.

Também foram organizadas manifestações depois da prece do meio-dia, em Larbaa, Mascara, Annaba, Tlemecén, Skikda e Bumerdés. As televisões árabes que cobrem ao vivo a guerra, como Al-Jazeera e Al-Arabya, são as que os argelinos preferem agora, rompendo com o hábito de assistir aos canais franceses por satélite.