Manifestação na Armênia denuncia fraude e exige renúncia do presidente

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 23 de fevereiro de 2003 as 15:22, por: cdb

Milhares de opositores se manifestaram na capital da Armênia hoje, domingo, para denunciar uma fraude nos resultados das eleições presidenciais e exigir a renúncia do chefe de Estado em fim de mandato, Robert Kocharián.

A manifestação transcorreu sem incidentes nem choques com as forças de ordem, apesar de ter sido proibida pelas autoridades e tanto o presidente como os ministérios de Defesa e do Interior ameaçaram punir duramente possíveis desordens.

Segundo diferentes fontes, entre 20.000 e 40.000 pessoas se reuniram no centro de Erivan para denunciar fraude no primeiro turno das eleições de quarta-feira passada, nas quais Kocharián tentou revalidar seu mandato.

O protesto foi convocado pelo opositor Partido Popular, cujo líder e principal rival de Kocharián nas urnas, Stepan Demirchán, reclamou hoje uma nova recontagem dos votos antes de voltar a medir-se com o presidente em um segundo turno em 5 de março.

Segundo dados oficiais, Kocharián recebeu o apoio de 49,8 por cento dos 2.295.330 armênios com direito a voto e Demirchán obteve um 28,3 por cento dos votos, mas a oposição acha que os resultados foram manipulados para ocultar a vitória de seu candidato.

“Os resultados das eleições foram falsificados. Exigimos que se faça uma nova recontagem de votos”, afirmou Demirchán diante de seus partidários, que responderam cantando “Robert fora, Stepan presidente”.

Outros políticos opositores exigiram a renúncia de Kocharián, e também exigiram que a polícia ponha em liberdade entre várias dezenas e uma centena de militantes que foram detidos na véspera por participar de desordens urbanas.

Os líderes políticos da oposição convocaram outro protesto para a próxima quarta-feira, um dia depois de a Comissão Eleitoral Central anunciar os resultados definitivos do primeiro turno das eleições.