Manifestação em São Paulo vai pedir legalização do aborto

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 28 de maio de 2007 as 11:20, por: cdb

Uma manifestação pelo direito ao aborto vai ser realizada nesta segunda, às 16h, em São Paulo, em frente à Praça Ramos de Azevedo, no centro da capital. Aproveitando as comemorações do Dia Internacional de Luta pela Saúde da Mulher, o movimento pretende lutar pela legalização do aborto e por seu atendimento no sistema público de saúde.

Segundo Sônia Coelho, assistente social e integrante da Sempreviva Organização Feminista (SOF), o movimento também pretende lançar o Comitê de Luta pela Legalização do Aborto, com a união de várias entidades e organizações sociais como a Marcha Mundial de Mulheres, a União Brasileira de Mulheres, a Liga Brasileira de Lésbicas e o Fórum Estadual de Mulheres Negras-RJ, entre outras.

– Esse não é um ato massivo. É um ato mais de liderança – explicou Sônia Coelho. De acordo com ela, a manifestação será realizada com poucos discursos, enfatizando o diálogo com as pessoas nas ruas e as performances musicais e teatrais. A expectativa da organização é de que cerca de 200 pessoas participem do movimento.

Para a assistente social, o aborto não é apenas uma questão de saúde pública. – Um aspecto fundamental para nós é que as mulheres tenham o direito de decidir sobre a sua vida, tenham direito à autonomia, à autodeterminação. Tem também esse outro aspecto que é o fato de que o aborto clandestino penaliza principalmente as mulheres mais pobres e negras porque quem tem dinheiro, na nossa sociedade, faz aborto tranqüilamente numa clínica ou hospital, com o seu médico particular. As mais pobres acabam morrendo ou ficando com seqüelas – afirmou Coelho, lembrando que, no Brasil, ocorrem mais de um milhão de abortos por ano.

– Nós não defendemos o aborto como método contraceptivo – afirmou a assistente social. – Mas em uma gravidez indesejada, acreditamos que o último recurso tem que ser o aborto e não a imposição daquela gravidez para a mulher como forma de castigo ou qualquer outra coisa – concluiu.

Coelho afirmou que o movimento das mulheres tem a intenção de se reunir todo dia 28 de cada mês, até setembro, quando se comemora o Dia Latino-Americano de Luta pela Legalização do Aborto. Além de manifestações em ruas da capital, o grupo planeja realizar debates em universidades e fazer oficinas em bairros da periferia paulistana.

Também está na pauta do movimento solicitar ao Executivo que apóie a aprovação de projeto, proposto em 2005 pela Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, que pede a descriminalização do aborto praticado até a 12ª semana de gestação. – Também queremos que o Executivo tenha ações de educação e formação dos trabalhadores do Sistema Único de Saúde (SUS) para que atendam dignamente as mulheres que fazem aborto clandestino – disse Sônia Coelho.