Manifestação de sem-teto acaba em desespero e dor

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 6 de setembro de 2001 as 21:01, por: cdb

Acabou em tristeza e desespero a manifestação que os sem-teto fizeram ontem, na Barra da Tijuca, quando passearam por um shopping e jogaram tomates e ovos na Estátua da Liberdade, que fica em frente a outro shopping naquele bairro. Mayara Gomes Ribeiro, de 2 anos, filha de um dos manifestantes, foi a única vítima do incêndio que tomou a Favela do Buraco da Lacraia, no Parque Boa Esperança, às margens da Linha Vermelha.

O pai de Mayara, Luciano Camilo da Paz, 20, participava do protesto dos Movimento dos Trabalhores Urbanos, na Barra da Tijuca, na hora do acidente. Rose Gomes Ribeiro, 23, mãe de Mayara, estava lavando roupa quando começou o incêndio na favela. Ao tentar voltar para casa para salvar sua filha, o barraco já estava consumido pelas chamas. Os pais da menina ficaram descontrolados e o desespero tomou conta de vários outros manifestantes quando souberam da tragédia.

Protesto de pobre em casa de rico

Homens, mulheres e crianças estiveram no BarraShopping e no New York City Center, na tarde desta quarta-feira, e estenderam faixas de protesto como: “Grito dos excluídos, por uma vida mais digna”, “A luta do povo por emprego e moradia” e “Não à Alca, não à privatização, fora FHC”. Esta é a segunda vez que eles vão até um shopping center do Rio para protestar contra a política do Governo Federal.

Desde o fim da manhã, quando o grupo chegou em três ônibus fretados e estacionaram no BarraShopping, o protesto teve as mesmas características do anterior. Os sem-teto entraram e apenas passearam pelos corredores do shopping. Na hora do almoço, na praça de alimentação do Barra Shopping, na Barra da Tijuca, foram distribuídos 700 pães, 25 quilos de mortadela e refrigerantes aos mais de 100 participantes do movimento.

Participam do movimento moradores do viaduto da Linha Vermelha, do Caju, do acampamento da Ilha das Flores, do prédio do INSS que foi desalojado na Rua do Riachuelo e do loteamento Rio do Pau, na Pavuna.