Malvinas: Cuba apoia Argentina; Inglaterra envia destróier

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 4 de abril de 2012 as 10:03, por: cdb

Nesta quarta-feira (4), o parlamento cubano declarou sua solidariedade com a Argentina no caso da disputa que o país sul-americano trava com a Inglaterra pela soberania das Ilhas Malvinas e reiterou a “convicção de que seguramente elas são e seguirão sendo argentinas”. Neste mesmo dia, o destróier HMS Dauntless, um dos navios de guerra mais modernos do Reino Unido, zarpou do porto inglês de Portmouth rumo ao Atlântico Sul.
A Comissão de Relações Internacionais da Assembleia Nacional do Poder Popular de Cuba (parlamento) acrescentou que “adere” a Declaração da Mesa Diretora do Parlamento Latino-Americano que “ratifica” o respaldo ao “exercício irrestrito da soberania” argentina sobre as Ilhas Malvinas, as Ilhas Georgias do Sul e Sandwich do Sul e nos espaços marítimos circundantes.

Leia também:

“População das Malvinas não tem direito à autodeterminação”

Luis María Kreckler: Malvinas: enclave colonial no Atlântico Sul

Argentina: Reino Unido militariza conflito sobre ilhas Malvinas
Os cubanos chamaram os “parlamentos internacionais, regionais, federais e nacionais a se pronunciarem em favor do estímulo do processo de negociações que, em conformidade com os documentos da ONU, deve ser levado a cabo para culminar com a restituição à Argentina deste legítimo direito”.

Na terça-feira (3) o governo da Venezuela manifestou sua solidariedade com o povo e governo argentinos. Um comunicado da chancelaria do país expressou o apoio incondicional ao povo argentino e governo de Cristina Kirchner pelo legítimo direito que têm sobre este conjunto de ilhas. E reitera que não permitirá uma nova agressão colonialista, tampouco aceitará a intimidação com medidas unilaterais que se encontram à margem da legalidade internacional.

Destróier

O HMS Dauntless está equipado com um avançado sistema de navegação que o torna praticamente invisível aos radares. Ele substituirá o navio britânico HMS Montrose e levará aproximadamente um mês para chegar ao Atlântico Sul, deve fazer escala em alguns países do oeste e do sul da África antes de chegar às águas próximas das Malvinas, onde permanecerá seis meses, segundo informou o Ministério da Defesa britânico.

O desdobramento do destróier causou mal-estar no governo argentino, que disse que o Reino Unido militarizaria o Atlântico Sul e ontem voltou a acusar Londres de “colonialismo”. Após o anúncio de que o destróier seria enviado à região, o governo argentino apresentou uma queixa formal perante a ONU para denunciar o que considera a militarização da área das Malvinas.

Já o Reino Unido insiste que o envio da embarcação não representa uma militarização do Atlântico Sul, mas uma operação de “rotina” que faz parte da contínua presença britânica na região.

Da Redação, com agências

 

..