Mal da vaca louca atinge rebanhos no Japão

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 10 de setembro de 2001 as 15:58, por: cdb

O ministério da Agricultura do Japão confirmou, nesta segunda-feira, a ocorrência do primeiro caso do mal da vaca louca no país. A doença que ataca o sistema nervoso dos bovinos ainda não havia sido detectada na Ásia.

Em junho deste ano, as Nações Unidas alertaram que o continente estava particularmente vulnerável à doença, uma vez que importava grandes quantidades de ração à base de carne e ossos da Europa ocidental, onde o surto foi deflagrado.

Segundo o ministério da Agricultura japonês, a encefalopatia espongiforme bovina (BSE), o termo científico da doença, foi verificada em uma vaca na cidade de Chiba.

A BSE, que ataca o cérebro, está relacionada à variação fatal da doença de Creutzfeldt-Jakob (CJD) nos seres humanos. No caso da CJD, o tecido do cérebro é devastado quando o paciente ingere carne contaminada com a BSE.

O Japão tentou impedir que a doença cruzasse suas fronteiras restringindo as doações de sangue de pessoas que moraram na Grã-Bretanha, onde mais de 100 casos foram descobertos desde 1986.

O mal da Vaca Louca forçou o sacrifício de rebanhos inteiros na Europa. Além disso, a União Européia chegou a proibir a exportação de carne britânica.

No ano passado, diante dos indícios de que a doença estava se espalhando pela Europa, o Japão proibiu a importação de carne procedente de países da União Européia, além de enlatados e esperma de touro.

Chiba, onde o primeiro caso foi detectado, não tem tradição leiteira. A maioria dos moradores da região vive da agricultura de subsistência. O Japão, junto com toda a Ásia, o Leste Europeu e o Oriente Médio foi citado em um relatório da Organização para Alimentos e Agricultura, uma agência da ONU, como suscetível ao mal da Vaca Louca.

Com base em dados do governo japonês, cientistas da União Européia haviam classificado o risco do Japão como três, em uma escala entre um e quatro.

Os veterinários vinham analisando os riscos de a doença ocorrer em outros países de fora do bloco continental para se certificarem de que carnes contaminadas não entrariam novamente na Europa.

Em abril deste ano, o Japão começou a monitorar sintomas anormais em animais que apresentaram morte inexplicável.