Mais um índio é morto por espancamento no Brasil

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 15 de janeiro de 2003 as 00:32, por: cdb

Com o país ainda chocado pelo assassinato do índio caingangue Leopoldo Crespo, de 77 anos, praticado por três jovens na cidade de Miraguaí, no noroeste do Rio Grande do Sul, mais um assassinato contra indígenas foi registrado, desta vez no estado do Mato Grosso do Sul.

O cacique e líder indígena Guarani Marcos Veraón morreu na segunda-feira, após ser espancado por supostos jagunços da fazenda Brasília do Sul. O corpo será enterrado nesta terça-feira, em Dourados.

A Polícia Federal está investigando o caso, a pedido do Ministério da Justiça. O líder indígena participou, no sábado, de uma invasão da fazenda, de 9,7 mil hectares, no município de Juti.

A morte do cacique mobilizou lideranças indígenas de todo o estado, que se dirigem para Dourados.

Os caciques da aldeia kadwéu, acompanhados pelo presidente do Conselho Indigenista Distrital, cacique Hilário da Silva, acompanharão o caso de perto.

Reconhecido internacionalmente, Marcos Verón, de 71 anos, defendia uma ocupação pacífica da fazenda.

Verón foi morto quando se dirigia ao comércio local para comprar mantimentos e foi surpreendido em uma emboscada.

O gerente da fazenda, Nivaldo Alves de Oliveira, negou qualquer agressão e disse que os barracos e pertences dos índios, que ainda estavam queimando, eram apenas lixo.

No último dia 6, em Miraguaí, três jovens – um deles menor de idade – matou com chutes e pedradas o índio Leopoldo Crespo. Presos, os rapazes confessaram que queriam assustar “com coices” o índio, que dormia na rua, depois de viajar de sua aldeia à cidade, onde receberia sua aposentadoria de agricultor e faria as compras do mês.