Mais países fazem fila para aderir ao Banco Asiático de Investimentos

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 19 de setembro de 2015 as 19:49, por: cdb

Por Redação, com agências internacionais – de Cingapura

Mais de 20 países aguardam adesão ao Banco Asiático de Investimento em Infraestruturas (BAII), criado pelos países do grupo BRICS, informou neste sábado o presidente da instituição financeira internacional proposta por Pequim.

— Temos 57 países (potenciais membros fundadores) e, segundo o que sei, mais 20 estão em lista de espera — disse o presidente do BAII, Jin Liqun, numa conferência em Cingapura, sem detalhar quais os países.

As exportações da China devem crescer 6,9 % em 2015, acelerando a partir da alta deste ano de 6,1 %
As exportações da China devem crescer 6,9 % em 2015, acelerando a partir da alta deste ano de 6,1 %

O BAII pode superar o Banco Asiático de Desenvolvimento, criado pelo Japão em 1966, e que conta com 67 membros, 19 dos quais exteriores à região da Ásia-Pacífico.

— Estou certo que mais nações estão interessadas em aderir — acrescentou Jin, ex-vice-ministro chinês das Finanças, eleito em agosto pelos países membros.

Proposto pelo presidente chinês, Xi Jinping, em 2013, o BAAI é visto como uma reação do governo chinês ao que considera o domínio norte-americano e europeu em instituições globais como o Fundo Monetário Internacional e o Banco Mundial.

Segundo Jin Liqun, 57 países de cinco continentes estão aprovados como membros fundadores, mas sete aguardam ainda a respectiva “autorização interna”.

Entre as grandes economias do planeta, apenas Estados Unidos, Canadá e Japão não fazem parte, mas Jin Liqun lembrou que “as portas estão abertas”.

— Em alguns países será preciso tempo até que cheguem a um consenso interno. Temos sido pacientes. Quando se decidirem, é só fazer uma chamada que nós tratamos do resto — acrescentou.

O banco terá sede em Pequim e deverá ser estabelecido até ao final de 2015 com um capital de US$ 10 bilhões. A China é o maior acionista, com uma participação de cerca de 30% do capital, seguida pela índia e Rússia.

Portugal, que em 29 de junho assinou o acordo constitutivo do BAII, tornando-se membro fundador, tem participação de cerca de 11,6 milhões de euros. O Brasil, o outro país de língua portuguesa a integrar a instituição, é o nono maior acionista, com uma participação de 2,87 bilhões de euros. No “top 10″ dos principais investidores constam ainda a Alemanha, França e Reino Unido, países membros da União Europeia.