Mais duas pessoas morrem em confrontos no Timor Leste

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 23 de maio de 2006 as 10:45, por: cdb

Quase um mês depois da violência registrada na capital do Timor Leste, pelo menos duas pessoas morreram e seis ficaram feridas, nesta terça-feira, em confrontos entre as Forças de Defesa e ex-militares rebeldes liderados pelo major Alfredo Reinado em Bécora, a 5 quilômetros de Díli.

Segundo um comunicado do governo, “um grupo de militares desarmados das Forças de Defesa foi atacado por amotinados que se congregaram em torno do major Reinado”. Dos seis feridos, cinco são militares e um é policial. O comunicado informa que um membro das Forças de Defesa morreu no confronto. Major Reinado negou à Agência Lusa que tenha sofrido baixas, mas uma fonte de seu grupo afirmou que um dos ex-militares rebeldes morreu e não foi transportado a nenhum hospital.

Major Reinado abandonou seu cargo nas Forças de Defesa no último dia 3. Em 28 e 29 de abril, confrontos deixaram pelo menos cinco mortos em Díli, quando um grupo de ex-militares protestava contra seu afastamento das Forças Armadas e contra discriminação étnica nas promoções de patentes. Os confrontos de hoje ocorrem três dias depois da convenção da FRETILN, o partido do premiê Mari Alkatiri.

<b>Governo preparado</b>

Em coletiva de imprensa, o porta-voz governamental, Antoninho Bianco, afirmou que o governo está preparado para enfrentar eventuais novos focos de incidentes.

– As Forças Armadas e a polícia iniciaram a perseguição ao grupo liderado pelo major Reinado, com vista à sua detenção – acrescentou o ministro.

Bianco adiantou que o governo continua interessado em tentar negociar com outros oficiais que deixaram a hierarquia militar, como os majores Alves “Tara” e Marcos Tilman, além do porta-voz dos ex-militares rebeldes, o ex-tenente Gastão Salsinha.

– O governo apela à população para se manter calma, na certeza de que o grupo amotinado não fugirá do controle das autoridades – concluiu o porta-voz.

Apesar dos tiroteios, a capital timorense está tranqüila. O consulado de Portugal alertou hoje os cidadãos lusos que moram em Díli para que evitem as áreas onde houve os confrontos – Bécora e Fatuhai.

Uma fonte governamental disse à Lusa que o primeiro-ministro Mari Alkatiri se reuniu hoje com os ministros do Interior, Rogério Lobato, da Defesa, Roque Rodrigues, e com comandantes das Forças Armadas e da polícia para analisar a situação.