Mais 20 leitos em SP são destinados para casos de pneumonia atípica

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 7 de abril de 2003 as 15:43, por: cdb

A Secretaria de Estado da Saúde destinou mais 20 leitos para casos suspeitos da Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), no Instituto de Infectologia Emílio Ribas. Desde a notificação de suspeita da primeira vítima da doença no Estado na última terça-feira (1), a Secretaria havia reservado outras 44 vagas em três hospitais.

Além dos leitos colocados à disposição no Emílio Ribas, há 16 vagas no Hospital das Clínicas da Unicamp; oito no Hospital São Paulo; e 20 no Hospital do Servidor Público. Esses hospitais foram escolhidos porque têm quartos com pressão negativa, de onde o ar possivelmente contaminado não sai.

“Estamos preparados para possíveis casos da doença e queremos deixar a população tranqüila”, afirma o coordenador da Superintendência de Controle de Endemias (Sucen), Luiz Jacintho da Silva. Ele faz um alerta aos funcionários do serviço de saúde para tomarem as providências recomendadas sempre que se depararem com pacientes portadores dos sintomas de pneumonia, principalmente se o doente esteve nas áreas de risco.

Ele informa que melhorou o estado da jornalista inglesa que veio ao Brasil para cobrir o Grande Prêmio de Fórmula 1 e foi internada com sintomas da doença. “Estamos realizando exames para verificar se ela é portadora do Corona vírus, o agente causador da doença”.

O surto de pneumonia atípica, que também vem sendo chamada de pneumonia asiática, teve início em novembro de 2002 na província de Guangdong, no sul da China. De acordo com dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), até o dia 28 de março haviam sido identificados 2.353 casos e 84 óbitos em 17 países.

Prevenção

A OMS adverte que a prevenção ainda é a única maneira de combater a pneumonia atípica, já que a doença é altamente infecciosa. Diversos tratamentos com antibióticos têm sido tentados até o momento, porém, com pouco efeito evidente. A terapia mais apropriada são medidas de suporte geral do paciente, assegurando a hidratação e o tratamento de infecções subseqüentes.

Especialistas da OMS constataram que a doença é transmitida por meio de gotas de saliva ou mucosa expelidas com a tosse e os espirros, mas não descarta a idéia de que possa ser contraída por meio de partículas ultramicroscópicas.

O período de incubação da pneumonia atípica varia de dois a dez dias. No início os sintomas são similares aos da gripe provocada pelo vírus influenza: febre alta e tosse seca. Também podem aparecer coriza, dor de cabeça, mal-estar, confusão mental e diarréia.