Mahathir Mohamad faz declarações polêmicas à respeito dos judeus

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 31 de outubro de 2003 as 00:57, por: cdb

O primeiro-ministro da Malásia, Mahathir Mohamad, em declarações dadas na  véspera de passar o cargo para um sucessor, disse na última quinta-feira que os sofrimentos impostos ao povo judeu na Europa, no passado, não eram uma desculpa para tomar terras dos árabes e para perseguir os muçulmanos.

O líder muçulmano, de 78 anos, que deixa seu cargo na última sexta-feira após 22 anos no poder, provocou protestos ao afirmar, duas semanas atrás, que os judeus haviam saído do Holocausto para ‘governar o mundo por procuração’.

Defensor constante da causa palestina, Mahathir declarou que os judeus eram responsáveis agora por perseguir muçulmanos da mesma forma que os europeus perseguiram judeus durante séculos.

– Eles não devem achar nunca que são o povo escolhido, que não pode ser criticado – afirmou o premier na quinta-feira quando questionado sobre se tinha uma última mensagem para os judeus.

O discurso feito por Mahathir no dia 16 de outubro, diante de líderes islâmicos, conclamou os muçulmanos a aderirem ao mundo moderno, a usarem sua inteligência, a fazerem a paz e a colocarem um ponto final nos atentados suicidas.

O premier  também manifestou uma rancorosa admiração pelo modo como os judeus prosperaram apesar da perseguição. Os comentários dele a respeito da influência dos judeus no mundo lembraram as teorias conspiratórias usadas pela Rússia czarista e pela Alemanha nazista para alimentar o anti-semitismo.

Segundo Mahathir, porém, os sofrimentos enfrentados pelos judeus eram uma fonte de tristeza para os muçulmanos.

– Eles sofreram muito no passado. Eles foram mortos, foram massacrados. Nós nos compadecemos dos judeus. Ficamos tristes ao ver como os judeus foram tão maltratados pelos europeus – lembrou.

Mahathir nega ser anti-semita, mas em seus discursos não faz diferença entre judeus, israelenses e sionistas.