Magno Malta e Crivella apóiam manifestação contra PL 122 

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 1 de junho de 2011 as 16:20, por: cdb

Os senadores Magno Malta (PR-ES) e Marcelo Crivella (PRB-RJ) participaram de uma manifestação popular na tarde desta quarta-feira (1º), em frente ao Congresso Nacional, contra o projeto (PLC 122/06) que criminaliza a homofobia. A manifestação foi organizada por religiosos ligados a diversas igrejas evangélicas e contou com o apoio de senadores e deputados da Bancada da Família. Lideranças católicas da Pastoral da Família e da Renovação Carismática, ONGs de serviço social e grupos universitários também participaram do evento. Caravanas de outros estados, como Goiás, Bahia e Maranhão, também marcaram presença.

Os manifestantes entregaram ao presidente do Senado, José Sarney, documento com mais de 1 milhão de assinaturas contra o projeto.

– Sem dúvida, o Senado Federal levará em consideração uma manifestação tão expressiva, de mais de um milhão de pessoas – disse Sarney ao receber o abaixo-assinado.

Veja mais

 Em negociação novo texto para projeto que pune discriminação 

Tramitação no Congresso dura quase dez anos

Do alto de um trio elétrico, o senador Marcelo Crivella elogiou o trabalho dos senadores ligados à Bancada da Família e destacou o empenho de lideranças evangélicas na organização do evento. De acordo com o senador, a manifestação reuniu cerca de 80 mil pessoas. No cálculo da Polícia Militar do Distrito Federal, havia entre 15 e 20 mil pessoas. Crivella criticou o PL 122, mas repetiu que respeita os homossexuais.

– Nós amamos os homossexuais – afirmou.

O senador Magno Malta reafirmou o respeito pelos homossexuais, mas criticou o texto do projeto de lei. Segundo o parlamentar, “o anseio grotesco de uma minoria não pode se impor à maioria das famílias brasileiras”.

– Não haverá acordo sobre o PL 122 – declarou o senador.

Na saída do encontro com Sarney, Magno Malta disse que a Bancada da Família tem 72 dos 81 senadores e que o projeto “já é um cadáver”.

Magno Malta ainda elogiou a presidente Dilma Rousseff, pela decisão de suspender a distribuição do kit anti-homofobia nas escolas. O senador pediu que o governo faça uma campanha promovendo o respeito às minorias, incluindo homossexuais.

Religiosos

O pastor Silas Malafaia, um dos organizadores da manifestação e ligado à igreja Assembleia de Deus, afirmou que o PL 122 ofende a liberdade de expressão e de crença e rasgou uma cópia do projeto. O pastor disse que o protesto não buscava “impedir as práticas dos homossexuais”. Com base no artigo 5º da Constituição, Malafaia afirmou que a liberdade de consciência e crença é inviolável.

– A falta de conhecimento da Constituição federal compromete a cidadania – declarou Malafaia.

O pastor Elton Neres da Silva, da Primeira Igreja Batista do Vicente Pires (DF), participou da manifestação e disse que é contra o PL 122 porque “Deus criou homem e mulher para serem uma só carne”.

– Nós amamos os homossexuais, mas temos o direito de dizer que somos contra o pecado – afirmou.

Para Paulo Fernando Melo da Costa, membro do Movimento Católico Pró-Vida e assessor da Frente Parlamentar Católica na Câmara dos Deputados, o PL 122 é inconstitucional na medida em que “veda a liberdade de expressão e religiosa”.

A manifestação ainda teve apresentações musicais, pregações e distribuição de panfletos com mensagens contrárias ao aborto e ao homossexualismo.

Namorada

Enquanto a maioria dos manifestantes carregava cartazes, Bíblias e exemplares da Constituição federal, um grupo de cerca de 40 pessoas protestava contra o evento e a favor do projeto de lei, com apitos e palavras de ordem no megafone. A Polícia Militar separou os grupos.

De acordo com Isabela Góis, estudante de 20 anos de Brasília, a aprovação do PL 122 é importante “por criminalizar a homofobia”. Para ela, a lei vai além do simbolismo e pode evitar a violência contra os homossexuais.

– Eu e minha namorada já sofremos muita discriminação em bares e outros lugares – protestou.

Tércio Ribas Torres e Elina Rodrigues Pozzebom / Agência Senado