Lula visita obras criticadas por indígenas e religiosos

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 12 de outubro de 2009 as 14:22, por: cdb

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva fará esta semana uma vistoria nas obras de revitalização do Rio São Francisco. Em seu programa de rádio, Café com o Presidente, Lula disse que o projeto de revitalização é fundamental para o país porque, além de recuperar as matas nas margens e proximidades do rio, vai permitir que se leve água a milhões de pessoas.

– Esse canal, na verdade, vai levar água para mais de 12 milhões de pessoas nos Estados de Pernambuco, da Paraíba, do Rio Grande do Norte, do Ceará, que são as pessoas que vivem o drama da seca mais forte do que qualquer outro cidadão brasileiro – disse.

A revitalização do São Francisco vai custar mais de R$ 6 bilhões. A meta é concluir parte dela já no ano que vem e outra em 2012.

– É uma coisa secular e nós achamos que é importante levar água (a essa população). E essa água vai perenizar alguns rios existentes e, ao mesmo tempo, manter os açudes num nível de água para que a gente possa fomentar a pequena agricultura, irrigação em muitos Estados da federação – afirmou.

Protesto

As obras a serem visitadas pelo presidente Lula foram muito criticadas pelo bispo da Diocese de Barra (BA), dom Luiz Cappio, que ficou conhecido pelo trabalho em defesa do Rio São Francisco. Além de uma greve de fome contra o projeto, ele lançou a campanha Povos Indígenas em Favor do Rio São Francisco e Contra a Transposição.

Dom Luiz Cappio recebeu o segundo prêmio internacional em reconhecimento ao seu trabalho e, juntamente com lideranças indígenas, pretende pressionar o Supremo Tribunal Federal (STF) a julgar ações pendentes contra o projeto de transposição do São Francisco, principalmente a que trata das terras indígenas afetadas. Devem ser apresentados relatórios, feitas várias mobilizações e uma petição popular.

Também faz parte das reivindicações a realização de audiências públicas democráticas, para garantir o direito de participação popular na formulação e implementação das políticas do governo federal na Bacia do São Francisco.