Lula, otimista, acredita em um 2010 melhor

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 14 de setembro de 2009 as 12:56, por: cdb

Ao comentar os mais recentes números da economia brasileira – que cresceu 1,9% no segundo trimestre do ano em relação aos três meses anteriores – o presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou, nesta segunda-feira, que o país vai começar 2010 em situação de muito otimismo e de crescimento. No programa semanal Café com o Presidente, ele disse ainda que tudo o que o Brasil precisa é voltar à normalidade econômica. Lula ressaltou o cumprimento da promessa do governo de que o Brasil seria o último país a enfrentar a crise financeira internacional e o primeiro a sair dela.

– Isso (os números da economia brasileira) apenas confirma o que a gente dizia. Isso significa que nós vamos começar o ano numa situação muito virtuosa, numa situação de muito otimismo, numa situação de crescimento – afirmou.

Para o presidente, o Brasil estava preparado para enfrentar a situação por apresentar uma economia “sólida”, com reservas de mercado e com um mercado interno em potencial.

– Quando veio a crise e nós tomamos as medidas anticíclicas que tomamos, incentivando a indústria a produzir e facilitando a vida do consumidor, voltamos a bater recorde de produção e de venda de produtos. Acredito que os números do terceiro trimestre serão muito importantes e vão demonstrar um crescimento muito melhor na economia brasileira até o final do ano – destacou.

Lula também comentou a proposta de um Fundo Social composto por recursos da exploração do petróleo da camada pré-sal. Segundo ele, investimentos em educação são “condição básica” para que o país entre no que chamou de grupo dos países desenvolvidos.

– O século XXI é o século do Brasil e a gente não pode jogá-lo fora como jogamos o século XX. Por isso que a educação, para mim, é fundamental – disse.

O Fundo Social está previsto em um dos quatro projetos de lei do pré-sal a serem votados no Congresso Nacional. Os parlamentares já apresentaram mais de 250 emendas para mudar algum ponto das propostas do governo federal, que preveem o financiamento de áreas como educação, ciência e tecnologia, além de ações de combate à pobreza.

Com o resultado, o Brasil sai oficialmente da recessão técnica.

– E é tudo que nós precisamos. Voltar à normalidade econômica, voltar a crescer, gerar empregos, distribuir renda, que é isso que o povo brasileiro espera de nós – acrescentou o presidente.

No primeiro semestre do ano, a economia brasileira encolheu 1,5%. Já no acumulado em 12 meses, o PIB teve expansão de 1,3% em relação aos quatro trimestres imediatamente anteriores. Lula voltou a afirmar que os números que demonstraram a saída do país da recessão técnica apenas confirmaram o ponto de vista do governo de que “a crise tinha chegado por último no Brasil e que ela ia acabar primeiro no Brasil”.

– Por que? Porque o Brasil estava preparado – reiterou Lula.

O último relatório Focus, com projeções de cerca de 100 instituições financeiras coletadas pelo Banco Central, já reduziu para 0,16% a estimativa de queda do PIB neste ano.

Integração

Lula passou o dia em Roraima, em diversos compromissos na capital, Boa Vista, e no município de Bonfim. Ao desembarcar, o presidente concedeu entrevista a rádios locais e inaugurou, em seguida, o novo Terminal de Passageiros do aeroporto internacional. A obra, que recebeu cerca de R$ 9 milhões em investimentos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), amplia a capacidade operacional do aeroporto de 270 mil para 330 mil passageiros por ano.

Lula seguiu depois para Bonfim, onde se reuniu com o presidente da Guiana, Bharrat Jagdeo. Na ocasião, inaugura a ponte sobre o Rio Itacutu, na fronteira entre os dois países. Também assinou com o presidente guianense acordos na área de defesa e de isenção parcial de vistos (de negócio). Foram firmados ainda memorandos de entendimento para a promoção do comércio e do investimento e para a criação do Comitê de Fronteira e documentos de ajustes complementares para a implementação dos projetos Mapeamento Geológico e da Geodiversidade na Fronteira Brasil – Guiana.

Lula também se reuniu com representantes de povos indígenas e participou de cerimônia de assinatura de atos com o governo do Estado. Foram firmados acordos de cooperação para regularização de lotes urbanos em Boa Vista e em mais quatro municípios; financiamento para construção de mil casas do Programa Minha Casa, Minha Vida; contrato do Programa de Aceleração do Crescimento – Drenagem; entregues títulos para pequenos agricultores; transferência de terras para o Estado e assinado convênio de infraestrutura em Boa Vista e homologação da terra indígena Anaro.