Lula frustrou expectativa, diz MST

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 17 de abril de 2003 as 09:14, por: cdb

O coordenador do MST em Pernambuco, Jaime Amorim, acusou ontem o governo Lula de ter frustrado a expectativa do movimento no país. A acusação foi feita um dia depois de o coordenador nacional do MST João Pedro Stédile avisar que, apesar de o presidente ser Luiz Inácio Lula da Silva, o movimento continuará realizando ocupações e marchas de protesto. Stédile também cobrou medidas efetivas para a reforma agrária num seminário que reuniu 400 líderes de assentamentos na Bahia.

Amorim anunciou que hoje dois mil trabalhadores sem-terra que participam da Marcha Contra o Latifúndio e pela Reforma Agrária vão ocupar a sede do Incra em Recife, em protesto contra a morosidade no atendimento dos pedidos encaminhados este ano pelo MST. Amorim disse que os sem-terra só vão deixar a sede do Incra com um documento assinado por dirigentes da autarquia comprometendo-se a solucionar problemas de alimentação, vistorias, formação das novas equipes de dirigentes do Incra, assistência técnica e créditos para assentamentos.

O líder do MST fez uma série de críticas ao Incra de Pernambuco, onde o MST diz ter 145 acampamentos em situação de miséria, 120 assentamentos em dificuldades e 16 mil famílias, cerca de 80 mil pessoas, sob lonas, esperando por terra.

Na semana em que lembram os seis anos do massacre de 19 trabalhadores rurais em Eldorado dos Carajás, no Pará, os sem-terra fazem marchas por todo o país e amanhã, no Rio, cerca de 200 trabalhadores rurais farão ma caminhada da Praça Mauá à superintendência do Incra, no Largo de São Francisco.

Em Belo Horizonte, houve tumulto durante uma marcha de sem-terra quando um carro furou a barreira policial montada para proteger cerca de 900 sem-terra, passou por cima de uma bandeira do MST e foi em direção aos manifestantes.

Os sem-terra quebraram os vidros do carro e amassaram a porta. O motorista foi preso e o carro foi apreendido. Os sem-terra vão ficar acampados em Belo Horizonte até quarta-feira, quando é comemorado o dia internacional de luta pela terra.