Lula fala sobre a importância da cultura para enfrentar a globalização

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 5 de outubro de 2004 as 15:10, por: cdb

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta terça-feira que a cultura e a produção cultural criam oportunidades para o país enfrentar de forma soberana a globalização.

– Elas fortalecem e renovam o vigor da nossa sensibilidade individual e coletiva e nos dão melhores condições para enfrentarmos soberanamente os desafios e as oportunidades do processo de globalização – afirmou.

Durante o lançamento do Programa Nacional do Patrimônio Imaterial, esta manhã, no Palácio do Planalto, o presidente ressaltou que a importância da cultura não está apenas na criação de uma identidade nacional.

– A cultura é também uma força necessária e indispensável à consolidação do nosso processo de desenvolvimento de longo prazo. O Programa Nacional do Patrimônio Imaterial Brasileiro é mais um dos passos que o governo está dando nessa direção – disse.

O programa, segundo o presidente, vai permitir o reconhecimento e a promoção do patrimônio imaterial da cultura brasileira.

– Boa parte da nossa cultura – eu diria até que a sua maior parte – não é feita de coisas que possamos guardar em museu ou preservar pelo tombamento histórico. Esse patrimônio está em nossos usos e costumes, nas técnicas, nas músicas, nas festas que aprendemos com nossos antepassados e que até hoje nos fazem sentir, acima de tudo, brasileiros. É justamente esse tipo de acervo que o programa preserva – disse.

Durante a solenidade, houve a apresentação do Samba de Chula “Os Filhos da Pitangueira”, de São Francisco do Conde, no Recôncavo Baiano. O Samba de Roda no Recôncavo Baiano irá concorrer ao título de obra-prima do Patrimônio Oral e Imaterial da Humanidade, concedido pela Unesco. O título é uma forma de valorizar e proteger a produção cultural imaterial dos países. O resultado será divulgado pela Unesco em julho de 2005.

O presidente revelou que pretende ratificar a convenção da Unesco para preservar o patrimônio cultural e imaterial. Esta convenção, segundo Lula, se somará a outros instrumentos internacionais de caráter multilateral destinados à proteger o patrimônio cultural e natural da humanidade.

– Ao assumirmos essa posição diante da comunidade internacional, estamos reafirmando nossos ideais e nossa prática em defesa da diversidade cultural e do desenvolvimento sustentável – disse.

Lula ressaltou ainda que qualquer povo precisa de uma identidade.

– Essa alma é a cultura que carregamos dentro de nós, que distingue essencialmente um povo de um simples aglomerado de gente. Ela chega até nós através do que recebemos de nossos pais, de nossos avós, de nossos artistas eruditos ou populares e de nossos intelectuais, os conhecidos e os anônimos. Essas pessoas, que constroem e modificam a cada dia a nossa cultura. São o principal olhar do nosso povo. Elas nos ajudam a enxergar além da neblina – disse.