Lula diz que divergências políticas precisam ser superadas

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 26 de abril de 2003 as 16:29, por: cdb

Ao lançar, neste sábado, um programa de ações destinado a melhorar as condições de vida da população do semi-árido brasileiro, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez um alerta: o país ficará emperrado se as divergências políticas não forem superadas.

Lula visitou o município de Buíque, em Pernambuco, para lançar o projeto Conviver, com o qual também marcou o início do programa Fome Zero no estado.

O projeto de ações integradas propõe-se a desenvolver a agricultura familiar – não apenas no semi-árido, mas em todo o Brasil – e levará assistência técnica aos pequenos produtores.

Em seu discurso, Lula pediu uma cooperação maior entre todos os níveis de poder. A mensagem do presidente, entretanto, foi entendida também como um recado a seus correligionários no Partido dos Trabalhadores, que viveu mais uma semana de desentendimentos públicos em questões cruciais do governo.

No episódio mais marcante, o senador Aloizio Mercadante e o ministro da Fazenda, Antonio Palocci, defenderam, em entrevistas, oposições opostas sobre o controle do câmbio como forma de conter a queda do dólar frente ao real.

“Ou todos nós assumimos a responsabilidade de deixar as divergências políticas para a época das eleições e trabalhamos juntos, ou não há solução para o país”, advertiu Lula.

O presidente também reafirmou que as mudanças prometidas ao longo de sua campanha não serão sentidas da noite para o dia.

Lula lembrou que está há apenas quatro meses no governo e que encontrou o Brasil em uma situação difícil. Por isso, o apoio dos governadores e da sociedade para a aprovação das reformas tributária e da Previdência é fundamental, acrescentou.

“Disse que só eu seria capaz de fazer as reformas porque, para isso, é preciso ter contato com todos os partidos políticos”, disse. “Acima de tudo é preciso vontade política e coragem para enfrentar os que se opõem (às reformas)”.

Antes da cerimônia de lançamento do Conviver, Lula visitou a casa do agricultor José Cícero Filho, que mora com a mulher e sete filhos em uma pequena propriedade rural a 12 quilômetros do centro de Buíque.

A casa de três cômodos não tem saneamento básico, água ou energia elétrica.

A família vive de uma plantação de feijão. Sem qualquer sistema de irrigação, 60 por cento da safra estão comprometidos. José contou que, por causa da estiagem, perderá toda a colheita se não chover até maio.

Lula decidiu visitar a família de José Cícero porque o agricultor será um dos beneficiados pelos novos programas do governo.

O Conviver inclui uma série de ações, que beneficiarão moradores das regiões mais secas do país que praticam a agricultura familiar.

Entre as ações estão o Seguro-Safra, o Crédito Fundiário e programas de assistência técnica que serão oferecidos aos pequenos produtores.

Sobre o Fome Zero, o governo prometeu levar o Cartão Alimentação inicialmente a 19 municípios pernambucanos. Famílias com renda mensal de até meio salário mínimo receberão R$ 50,00 por mês para a compra de alimentos, a partir da segunda quinzena de abril.

Após a cerimônia em Buíque, realizada na feira no centro do município e à qual 10 mil pessoas compareceram, Lula viajou de volta a Brasília.