Lula discute política em suas 37ª reunião ministerial

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 23 de janeiro de 2008 as 10:45, por: cdb

Com a participação de 37 ministros,a primeira reunião ministerial do ano aconteceu, no Palácio do Planalto, nesta quarta-feira. Ao abrir o encontro, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva informou que o ministro da Fazenda, Guido Mantega, não estará presente porque precisou ir ao dentista. Lula avisou aos presentes que pretende discutir política em vez de administração. Segundo ele, o Programa de Aceleração do Crescimento não deve constar da pauta, já que a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, apresentou na véspera o balanço do primeiro ano das ações, junto com um vídeo sobre o andamento das obras

– Gostaria de discutir mais sobre política do que sobre administração. Normalmente, fazemos reunião aqui e falamos sobre infra-estrutura, sobre política social. As exposições são sempre longas, porque é muito coisa e depois falta tempo – disse.

O presidente também avisou que a exposição que Guido Mantega faria sobre a crise norte-americana estava a cargo do presidente do Banco Central, Henrique Meirelles. Depois dele, o chefe da Secretaria de Relações Institucionais da Presidência, ministro José Múcio, estava a cargo de uma exposição sobre as relações do governo com o Congresso Nacional. Depois de pedir aos expositores que que sejam breves em suas intervenções, Lula avisou aos presentes que pretende transformar a reunião em um cenário de debates.

– Estou pensando em fazer uma discussão – adiantou.

Lula acrescentou que depois dos ministros pretende falar, mas pouco.

– Vou falar um pouco menos do que habitualmente, para que a gente possa então fazer o debate – disse.

Como a sala está cheia de ministros, Lula comparou o ambiente ao da Santa Ceia, sem fazer qualquer menção à personagem do Judas:

– Muitas vezes sentamos nesta mesa aqui e parece a Santa Ceia, mas depois passamos um ano sem conversar.

Além dos ministros, participam da reunião o vice-presidente José Alencar, e os líderes do governo no Senado, Romero Jucá, e na Câmara dos Deputados, Henrique Fontana.