Lula deseja enxugar o número de ministros

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 25 de novembro de 2003 as 09:27, por: cdb

Antes de completar um ano de governo, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva chegou à conclusão de que existe  um excesso de ministros em seu primeiro escalão e está convencido de que precisa melhorar o gerenciamento do governo para tirar projetos do papel.

Segundo informações da Folha de S. Paulo, Lula tem feito essa análise em conversas reservadas. O presidente tem afirmado que deseja enxugar o número de ministros (35 hoje), mesmo com a previsão de entrada de dois peemedebistas no primeiro escalão.

No sábado passado, em reunião com ministros petistas na Granja do Torto, o presidente anunciou a intenção de fazer um balanço do primeiro ano de governo, destacando os pontos positivos (como o controle da inflação) e também os negativos (como o gerenciamento ruim e a hipertrofia do primeiro escalão).

Esse balanço norteia a avaliação que Lula faz de cada ministro e será decisivo para decidir quem sai e quem fica no governo federal. O presidente deixou claro que pretende realizar uma reforma ministerial que melhore áreas do seu governo.

Um cacique petista afirma que é preciso dar um “chacoalhão” no segundo escalão, a esfera da máquina pública que toca o dia-a-dia do governo.

Para Lula, não foi apenas o duro ajuste fiscal que impediu, por exemplo, maiores investimentos federais em 2003. Áreas do governo não funcionaram, na opinião do presidente.

Houve sobrecarga da poderosa Casa Civil e sobreposição de funções na área social.
Pastas como Transportes e Ciência e Tecnologia também são mal avaliadas pelo presidente e pelo chamado “núcleo duro” do governo, o grupo de ministros e auxiliares petistas que se reúne com Lula para definir as diretrizes do governo federal.

A linha do balanço deve ser a de que 2003 foi um ano de plantar e de arrumar a casa e a de que 2004 será um ano para colher e fazer as coisas da casa funcionarem melhor. Grosso modo, foram essas as metáforas usadas pelo presidente Lula no final de semana para falar de sua prestação de contas.

O presidente ainda estuda a forma de anunciar o balanço. Ele analisa conceder uma entrevista coletiva no Palácio do Planalto ou fazer um pronunciamento em cadeia nacional de rádio e televisão. Ele também dedicará ao tema um de seus programas quinzenais de rádio.