Lula avalia o desempenho de seus ministros

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 20 de dezembro de 2007 as 12:01, por: cdb

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva cogita mudar o ministério e ajustar a execução de programas de governo, entre janeiro e março de 2008. Lula avalia o desempenho dos ministros, a partir da atuação de cada um no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). O Ministério da Fazenda também está sendo avaliado, mas não é intenção do presidente substituir o ministro Guido Mantega, apesar do desgaste que sofreu no processo de votação da CPMF.

 

Lula avalia que Mantega, num momento difícil como foi a substituição de Antonio Palocci, fez a inflexão necessária na política econômica, de modo correto, ou seja, colocou o crescimento à frente de outras questões. No Palácio doPlanalto, atribui-se ao PT mineiro a informação segundo a qual o ministro seria substituído pelo prefeito de Belo Horizonte (MG), Fernando Pimentel.

 

Em reunião no dia seguinte à derrota no Senado, o presidente definiu as linhas da reação do governo. O ministro José Múcio Monteiro (Relações Institucionais) falaria sobre a questão política, enquanto Mantega diria que o superávit primário seria mantido e que a questão de como o governo enfrentaria o rombo de R$ 40 bilhões, provocado pelo fim da CPMF, seria tratado no momento adequado. Na reunião, Lula falou que o governo precisava refletir mais sobre o assunto.

 

No que se refere à CPMF, o governo está pouco disposto a enviar um novo projeto ao Congresso. Mas, embora a reedição do tributo esteja sendo analisada nas áreas técnicas, na área política surgiu uma proposta que pode evoluir: a criação do Imposto Progressivo sobre Movimentação Financeira (IPMF), um projeto que seria pedido ao Congresso por santas casas, hospitais, secretarias de Saúde, municípios e Estados.

 

Lula terá de fazer mudanças na equipe de governo, em 2008 por causa das eleições municipais. Entre os ministros que devem disputar as eleições, embora não confirme, estão Luiz Marinho (Previdência Social) e, talvez, Marta Suplicy (Turismo),  pressionada pelo PT paulista, que não tem opção com chances de vitória.