Lula afirma ser o único a promover a “reforma agrária pacífica”

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 12 de setembro de 2002 as 00:02, por: cdb

O candidato da coligação liderada pelo PT à Presidência da República, Luiz Inácio Lula da Silva, disse nesta quarta-feira em Curitiba ser o único dos presidenciáveis capaz de promover uma reforma agrária pacífica.

Lula teve que voltar ao tema após dizer, durante a semana, que não pretendia utilizar a força policial para combater as invasões promovidas pelo Movimento dos Sem-Terra (MST).

“Estou apenas cumprindo o que está previsto na Constituição. Quem cumpre a lei não merece ser castigado”, disse Lula.

A proposta do candidato petista é a de “sentar na mesa de negociações” para formular uma política de reforma agrária. Segundo o candidato, a forma de redistribuir as terras no País está prevista em seu programa de governo.

A visita de Lula a Curitiba começou com três horas de atraso. O presidenciável foi recebido pela coordenadora nacional da Pastoral da Criança, Zilda Arns, que apresentou uma carta-compromisso ao candidato com uma série de reivindicações sociais.

“A área social está contemplada no programa de governo do PT e as reivindicações da Pastoral são compatíveis”, disse o candidato.

Zilda Arns, que chegou a receber indicações do Brasil para o Prêmio Nobel da Paz pelo seu trabalho à frente da Pastoral, afirmou que pretende ter o compromisso de todos os principais candidatos que o próximo governo se empenhe na promoção da justiça social.

Depois da visita, Lula respondeu rapidamente à perguntas de jornalistas antes de seguir para o comício que reuniu mais de 50 mil pessoas em Curitiba, segundo estimativa da Polícia Militar.

Na entrevista, Lula afirmou que não pretende polemizar com os demais candidatos, mas não deixou de soltar uma farpa contra o governo de Fernando Henrique Cardoso.

“Todos erram, mas é preciso ter mais ouvidos do que bocas para identificar os problemas do País”, disse Lula.