Lula afirma que disse “apenas o óbvio” na África

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 8 de novembro de 2003 as 15:36, por: cdb

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou neste sábado que disse apenas o “óbvio”, quando comentou, na visita à capital da Namíbia, que “quem chega em Windhoek não parece que está em um país africano. Poucas cidades do mundo são tão limpas, tão bonitas arquitetonicamente como essa e têm um povo tão extraordinário como tem essa cidade”.

Dirigindo-se aos jornalistas brasileiros que o acompanham na viagem de sete dias pela África, Lula observou que todos puderam notar as diferenças entre as várias cidades visitadas.

– Nem tudo que nós falamos é entendido do jeito que nós gostaríamos que fosse entendido. Vocês estiveram comigo na viagem, vocês viram a diferença de cada cidade, de cada rua. Eu constatei apenas o óbvio: tem países que conseguiram a paz há mais tempo. E, por conseguir a paz há muito tempo, teve mais tempo de se dedicar à construção das coisas que acreditavam – enfatizou Lula.

A afirmação do presidente repercutiu de forma negativa no Brasil, e vários parlamentares e entidades de defesa dos negros criticaram as palavras de Lula sobre a Namíbia. Irritado com a má repercussão de suas palavras, o presidente aproveitou a entrevista concedida ao lado do presidente da África do Sul, Thabo Mbeki, para responder: “Eu acho que as pessoas que me criticaram, ao invés de teorizar, deveriam fazer uma viagem pela África para ver as diferenças desses países, e aí não falariam mais nada”.

Lula citou a África do Sul para embasar o seu raciocínio. Disse que poucos países tiveram a “felicidade” de ter um líder da “envergadura” de Nelson Mandela, que conseguiu acabar com as diferenças entre negros e brancos. “A grande surpresa que eu tive quando vim aqui em 1994 é que, se tinha um ministro negro, havia um adjunto branco. E, se tinha um ministro branco, tinha um adjunto negro. Obviamente, essa política de paz permitiu que esse país avançasse muito mais do que outro que teve que dedicar mais tempo às lutas internas”, ressaltou Lula. Segundo ele, os países africanos que tiveram guerras e enfrentaram vários problemas internos não puderam se desenvolver como a Namíbia.

Ao citar o nome de Nelson Mandela, Lula aproveitou para anunciar que a Câmara Municipal de São Bernando do Campo – cidade paulista em que despontou como líder sindical – concedeu ao líder africano o título de cidadão honorário. O deputado Vicentinho (PT-SP), que acompanha Lula na viagem à África, entregou o título nas mãos do presidente sul-africano para encaminhá-lo a Mandela. “Como não foi possível encontrar Mandela, porque o horário não permitia, queria que o Vicentinho entregasse ao Mbek para entregar ao Mandela”, disse Lula.