Lucro dos bancos brasileiros aumenta 89,5% em 2002

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 12 de março de 2003 as 08:53, por: cdb

O lucro das 50 maiores instituições que divulgaram os resultados de 2002 aumentou 89,5% em relação a 2001, de R$ 9,28 bilhões para R$ 17.59 bilhões. Estudo da empresa de consultoria Austin Asis, mostra ainda que a rentabilidade sobre o patrimônio líquido desses bancos cresceu em 2002 de 15,6% para 24,5%.

Ganhos muito expressivos com operações de tesouraria, spreads (diferença entre o custo de captação e empréstimo) elevadíssimos e aumento das receitas de prestação de serviços são as principais explicações para os lucros enormes dos bancos brasileiros, de acordo com o presidente da Austin Asis, Erivelto Rodrigues.

Segundo ele, em 2002 a principal fonte de receita dos bancos veio das operações de tesouraria com títulos públicos. O resultado obtido com títulos e valores mobiliários pelos 50 bancos analisados aumentou 69,8%, de R$ 47,754 bilhões para R$ 81,094 bilhões.

Rodrigues diz que esses ganhos se devem principalmente às altas taxas de juros que vigoram no País – a taxa Selic, por exemplo subiu de 19% em dezembro de 2001 para 25% ao ano no fim de 2002. Além disso, as instituições também ganham muito dinheiro com títulos corrigidos pelo câmbio.

A moeda americana subiu 52,5% no ano passado. Rodrigues ressalta ainda que, em alguns momentos de 2002, como em setembro, o Banco Central (BC) vendeu contratos cambiais pagando taxas de 60% ao ano além da variação do dólar. Bancos que conseguiam captar dinheiro no exterior a um custo de 4% a 5% ao ano no exterior aproveitaram para trazer o dinheiro para o País e embolsar essa diferença.

A segunda fonte mais importante para os ganhos dos bancos brasileiros em 2002 foram os spreads elevados cobrados nas operações de crédito. Rodrigues lembra que, em empréstimos para empresas, o spread médio é de 24% ao ano. No caso das operações com pessoas físicas, a diferença entre o custo de captação e de empréstimo atinge 56% ao ano. As receitas de crédito dos 50 maiores bancos aumentaram 38,8%, de R$ 60,852 bilhões para R$ 84,483 bilhões.

Rodrigues diz que o resultado dos 50 bancos analisados cresceu muito também porque, em 2001, o Banco do Nordeste registrou um prejuízo extraordinário de R$ 2,542 bilhões, devido às operações de saneamento que passaram os bancos federais. No ano passado, a instituição teve um lucro de R$ 160 milhões. Mas mesmo feita essa ressalva, os bancos continuaram a ganhar muito dinheiro em 2002. O lucro dos 10 maiores, entre os quais não está o Banco do Nordeste, aumentou 45,6%.

Rodrigues destaca ainda que os bancos têm conseguido elevar cada vez mais as receitas de prestação de serviços. Em 2002, os ganhos com a cobrança de tarifas subiu 9,7%, de R$ 19 750 bilhões para R$ 21,016 bilhões. Ele estima que, neste ano, o lucro dos bancos cresça entre 5% e 10%. A rentabilidade sobre o patrimônio líquido, por sua vez, deve caiu um pouco, para algo como 20% e 21%.