Lucro da Vale cai pela metade em 2009, para R$10,2 bi

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010 as 11:28, por: cdb

O lucro líquido da Vale em 2009 foi fortemente afetado pela crise global e caiu pela metade, passando de R$ 21,3 bilhões em 2008 para R$ 10,2 bilhões no ano passado, informou a empresa nesta quarta-feira.

No ano, a Ásia representou 55,6% das vendas da Vale no mundo, com destaque para a China, seguida pelas Américas, com 25,4%, e Europa, com 16,2%. O resto do mundo ficou com 2,8%das vendas da companhia.

O lucro no último trimestre de 2009, por sua vez, subiu 7,8% na comparação com o mesmo período do ano anterior, para R$ 2,63 bilhões.

Pelas regras contábeis norte-americanas, a Vale teve lucro líquido de US$ 1,519 bilhão no quarto trimestre, em linha com pesquisa feita pela Reuters que apontou na média de seis analistas lucro de US$ 1,591 bilhão.

A geração de caixa medida pelo Ebitda (lucro antes de impostos, juros, amortizações e depreciações) no quarto trimestre foi de R$ 3,7 bilhões, contra R$ 6,55 bilhões há um ano.

Segundo a companhia, o quarto trimestre –diferentemente dos trimestres anteriores, quando houve queda na demanda– foi marcado pela oferta insuficiente, que levou a redução nas vendas.

– Além da redução no lucro operacional, o decréscimo do resultado financeiro líquido, da ordem de R$ 659 milhões, contribuiu para diminuir o lucro líquido do 4T09 –, informou a empresa.

A produção de minério da Vale nos últimos três meses de 2009 ficou praticamente estável em relação ao mesmo período há um ano, auge da crise financeira mundial, com 63,443 milhões de toneladas. No ano, a empresa produziu 237,9 milhões de toneladas, contra 301,7 milhões de toneladas em 2008.

Já o níquel, prejudicado por greves de funcionários da Vale Inco, teve queda de produção de 59,3% de um ano para o outro, somando 30 mil toneladas no quarto trimestre contra 73% no quarto trimestre de 2008.

– Esperamos que o crescimento da produção industrial global continue sólido nos próximos trimestres, refletindo o cenário de forte demanda final e queda de estoques, continuando desse modo a pressionar a demanda por minérios e metais –, afirmou a companhia em um comunicado nesta quarta-feira.

A receita operacional líquida da empresa sentiu a queda da produção e encerrou o quarto trimestre em R$ 48,5 bilhões, ante R$ 70,5 bilhões em 2008. A receita operacional bruta caiu de R$ 71,7 bilhões para R$ 49,8 bilhões em um ano.

As vendas de minerais ferrosos representaram 62,5% da receita operacional no trimestre, enquanto minerais não ferrosos foram responsáveis por 27%. Serviços de logística alcançaram 6%; carvão, 2%; e outros produtos 2,5%.

A participação de vendas para a Europa no quarto trimestre mostrou reação e aumentou de 17,2% no terceiro trimestre para 20%, “o que é explicado pelo aumento de embarques de minério de ferro e pelotas para a região”, informou a Vale.

A Ásia continuou sendo o principal destino das vendas da mineradora, apesar de sua participação ter caído de 54,8% no terceiro trimestre para 49,9% no quarto trimestre. As Américas foram responsáveis por 26,6% das vendas da Vale no período e o resto do mundo, 3,6%.

A China manteve-se como o principal mercado dos produtos da Vale no quarto trimestre, representando 29,5% da receita. Em segundo lugar ficou o Brasil, com 18,1%; seguido pelo Japão, com 12,7%; Alemanha, 6,7%; EUA 3,5%; e Coreia do Sul 2,9%.