Luciana Gimenez diz que não liga para críticas

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 17 de dezembro de 2001 as 13:00, por: cdb

Luciana Gimenez se atrapalha toda para chamar os comerciais, vive trocando o nome dos entrevistados e ainda comete erros crassos de português. Aos 31 anos, a apresentadora do Superpop, da Rede TV!, está longe de ser um paradigma de perfeição. Mesmo assim, anda incomodando a concorrência. A primeira vítima foi Adriane Galisteu, sua antecessora no Superpop.

Desde que assumiu o programa, em janeiro deste ano, Luciana elevou a audiência de dois para seis pontos. Quando as duas disputam o mesmo horário, a morena quase sempre leva a melhor. Por isso mesmo, a Record decidiu transferir o É Show para as 23 h. “Não me preocupo mais com a Galisteu. Ela já ficou meio para trás. Minha concorrente agora é a Hebe Camargo”, anuncia.

No começo, ninguém acreditava que Luciana Gimenez fosse se firmar como apresentadora. Nem ela mesma. Até então, Luciana era vista apenas como a modelo internacional que soube tirar proveito de um rápido “affair” com o roqueiro Mick Jagger. Quando engravidou do líder dos Rolling Stones, passou a correr da imprensa como um pai acidental foge de um exame de DNA.

Hoje, avisa que não gosta de expor o filho, o pequeno Lucas, de 2 anos, ou de falar de Mick Jagger, de quem recebe uma pensão alimentícia de US$ 10 mil mensais. “Sempre quis apresentar um programa de tevê, mas nunca levei fé nisso. Só fui escolhida mesmo porque sou lutadora. Dei minha cara a tapa”, gaba-se.

Mesmo que não tivesse ficado famosa, Luciana chamaria a atenção. Do alto de 1,81 m de altura, ela não consegue passar despercebida. Mal estreou no Superpop e assumiu que não conseguia pensar em português. Por essas e outras, Luciana se tornou um dos alvos prediletos da crítica. Mesmo assim, ela não se abala. Bem-humorada, não perde o sorriso franco e cativante nem ao lembrar da meningite viral que a obrigou a ficar três dias no Hospital Albert Einstein, em São Paulo. “Tomei até morfina para a dor de cabeça passar. Se pudesse, arrancaria ela do lugar e a colocaria num canto para descansar”, brinca.