Lotus volta à Fórmula 1 com investimentos da Malásia

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 15 de setembro de 2009 as 10:31, por: cdb

A Lotus, um dos nomes mais vitoriosos do passado da Fórmula 1, retornará à categoria no ano que vem sob controle malaio. A Federação Internacional de Automobilismo (FIA) informou em comunicado nesta terça-feira que tomou a decisão após intenso processo de seleção. A nova equipe se chamará Lotus F1 Team e é uma parceria entre o governo da Malásia e um consórcio de empresários malaios.

“Os carros serão construídos na Malásia, por malaios”, afirmou o governo malaio em comunicado separado.

A vaga no grid ficou disponível depois que a BMW anunciou que se retiraria da competição no próximo ano, seguindo os passos da Honda. Nesta terça, a montadora alemã anunciou a venda da equipe de F1 para um grupo suíço.

A FIA afirmou que a BMW-Sauber ganhou uma vaga reserva para preencher qualquer espaço que possa aparecer até o início do campeonato de 2010.

“Além disso, a FIA acredita que pode ser um bom negócio expandir o grid para 14 equipes”, acrescentou a entidade. O empresário malaio Tony Fernandes será o diretor principal da Lotus.

Ele acertou um orçamento com a Air Asia, atualmente patrocinadora da equipe Williams, e é o 15° homem mais rico da Malásia com uma fortuna de US$ 220 milhões, segundo a Forbes Malásia.

O diretor técnico Mike Gascoyne já esteve anteriormente com a Force India, Jordan, Toyota e Renault.

Como parte do plano para competir em 2010, a Lotus firmou acordo de fornecimento de motores com a Cosworth.

“A equipe anunciará seus dois pilotos em 31 de outubro. Atualmente seis pilotos internacionais e locais foram selecionados”, afirmou o governo malaio.

A Lotus original venceu sete campeonatos de construtores da F1 e seis títulos com pilotos entre 1963 e 1978 sob a liderança de Colin Chapman, um dos mais inovadores engenheiros do esporte.

Chapman morreu de um ataque cardíaco em 1982 e empresa teve problemas administrativos em 1994 depois de dar a primeira vitória ao piloto brasileiro Ayrton Senna em 1985.