Londres espera Bush com esquema de segurança máxima

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 18 de novembro de 2003 as 15:22, por: cdb

Os serviços de segurança britânicos aumentaram terça-feira o esquema de segurança e emergência para a chegada do presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, à Grã-Bretanha, que está prevista para esta tarde, por medo de eventuais ataques terrorista da Al-Qaeda e grupos extremistas islâmicos.

A Scotland Yard enviou 15 mil agentes de segurança às ruas de Londres, além de soldados que já estão posicionados em pontos estratégicos de alguns edifícios por meio dos quais passará o comboio presidencial.

Centenas de policiais realizavam nesta terça-feira operações de “rastreamento” nos aeroportos internacionais da cidade: Heathrow, Gatwick, Stanstead e Luton, como também nas estações de trens Victoria e Waterloo, e nos terminais de ônibus.

As medidas foram tomadas para evitar a entrada de pessoas suspeitas na cidade e pelo medo de eventuais ataques terroristas contra Bush e sua esposa Laura, que perto das 19:00 horas (GMT) serão levados de Heathrow até o palácio de Buckingham, explicaram fontes locais.

Acredita-se que vários helicópteros Hawk acompanharão o trajeto do chefe da Casa Branca pelo centro de Londres, somando-se também a inúmeros homens armados norte-americanos que protegerão Bush durante sua visita a Londres.

Além disso, em um escritório perto do palácio da rainha, um grupo de agentes da CIA começou a trabalhar para verificar se a chegada do presidente Bush será feita de forma segura.

O Alto Comissário da Scotland Yard, Andy Trotter, declarou que as medidas de segurança “sem precedentes” para a visita presidencial foram tomadas em função de “A Grã-Bretanha estar atravessando um alerta máximo de possíveis ataques”.

– Estamos em alerta máximo e não podemos correr nenhum risco. Somos responsáveis pela segurança de George Bush e temos que cumprir nossa tarefa – disse Trotter, que negou que irá proibir o uso de telefones celulares durante os protestos, por medo de que sejam utilizados por extremistas para ordenar um ataque terrorista.

Para esta tarde se espera que milhares de manifestantes britânicos se reúnam na estação de trens de Euston Road, perto do bairro universitário de Bloomsbury, onde começarão os protestos em massa contra a chegada de Bush, que fará uma visita de Estado que não era feita por um presidente norte-americano desde 1918, com Woodrow Wilson.

Uma pesquisa publicada nesta terça-feira pelo jornal The Guardian e realizada pela consultoria ICM com 2 mil pessoas, informou que 43% dos britânicos “dão boas-vindas a Bush”, enquanto que 36% gostariam de que ele não tivesse decidido viajar para Londres