Livro didático ensina crianças russas técnicas antiterrorista

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 4 de setembro de 2003 as 16:57, por: cdb

O pequeno Zhenya, de 9 anos, franziu a sobrancelha ao folhear o novo livro didático russo que tem por objetivo ensiná-lo a se defender de criminosos e terroristas. A nova disciplina, que começou a ser oferecida nesta semana para os 7,5 mil alunos de Reutov, é realmente alarmante, e tende a ficar cada vez mais dramática conforme as crianças avançarem.

– Se você não tem um objeto perigoso à mão, pode usar as unhas ou os dentes para tentar atingir os olhos do agressor – diz uma das lições, bastante diretas, destacada em um quadro azul no livro destinado a adolescentes de 14 a 17 anos.

As autoridades de Reutov, uma pacata cidade perto de Moscou, decidiram incluir a autodefesa e a segurança no currículo como parte do esforço nacional contra o terrorismo e a criminalidade.

– Precisamos saber como evitar os bandidos – disse Zhenya, quando interrogado por sua professora em sala de aula.

– Eu não diria que as crianças gostam disso, mas é uma necessidade – afirmou Irina Pavlyuk, diretora da Escola Número Cinco. – Quando você é jovem, talvez não queira saber de coisas ruins, mas as crianças precisam estar preparadas.

Reutov é uma cidade-dormitório para pessoas que vivem em Moscou e, na quinta-feira, estava praticamente deserta. Nem por isso o lugar é imune aos atentados da guerrilha separatista chechena.

Um ex-aluno da escola de Zhenya estava, por exemplo, entre as 129 pessoas que morreram em outubro em Moscou, depois de serem feitas reféns por separatistas dentro de um teatro – a ação terminou em tragédia quando tropas russas invadiram o local lançando gás venenoso. Outro morador de Reutov morreu após o pânico que se seguiu ao duplo atentado suicida ocorrido em julho num concerto de rock ao ar livre, incidente que matou 15 pessoas.

Por causa disso, Moscou e outras cidades reforçaram a segurança. Detectores de metal agora são comuns em prédios públicos. Barreiras contra veículos foram colocadas nos arredores do Kremlin, e a praça Vermelha foi fechada. Cartazes em mercados e condomínios ensinam o que fazer diante de uma suspeita de bomba.

Neste fim de semana, quando se comemora o aniversário de Moscou, as autoridades locais anunciaram um esquema excepcional de segurança. A festa costuma atrair dezenas de milhares de pessoas. A subsecretária de Administração de Reutov, Anna Babalova, que coordenou a produção dos novos livros didáticos, disse que a cidade quer conscientizar as crianças da possibilidade de atentados.

– Qualquer um hoje, não importa onde esteja, pode ser afetado pelos terroristas. Os livros servem para preparar as crianças psicologicamente para que elas não entrem em pânico – afirmou.

Mas Zhenya acredita que sua turma não vai enfrentar nada tão grave assim.

– Moscou está cheia de bandidos, mas só começaremos a estudar os terroristas quando tivermos 13 anos – disse ele, em meio à algazarra dos colegas.