Lionel Messi recebe elogios após liderar conquista do Barcelona

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 18 de maio de 2015 as 10:23, por: cdb
Lionel Messi comemora gol da vitória do Barcelona por 1 x 0 sobre Atlético de Madri
Lionel Messi comemora gol da vitória do Barcelona por 1 x 0 sobre Atlético de Madri

 

O Marca, jornal esportivo mais vendido da Espanha, resumiu sua manchete desta segunda-feira após o Barcelona ganhar no domingo o quinto título da Liga Espanhola em sete anos e o 23º da história: “Liga de Messi”.

O jogador argentino marcou um gol tipicamente brilhante para assegurar a vitória por 1 a 0 contra o Atlético de Madri, exatamente um ano após os campeões da última temporada terem tirado o título do Barcelona após empatarem por 1 a 1 no Camp Nou, na última partida da temporada.

O mais recente triunfo do time catalão foi a primeira parte de uma possível tríplice conquista com a Liga dos Campeões, Liga Espanhola e Copa do Rei. O Barcelona foi o único clube espanhol a conseguir o feito, em 2008-09, sob comando de Pep Guardiola.

O gol de Messi foi o seu 41º em 37 partidas nesta temporada, quatro atrás do artilheiro Cristiano Ronaldo, cujo time, Real Madrid, está quatro pontos atrás, em segundo lugar, com um jogo restante.

Messi também deu 17 assistências e esteve em excelente forma desde o começo do ano, após quebrar o recorde de gols da Liga em novembro.

O Barcelona enfrenta a Juventus pela final da Liga dos Campeões em 6 de junho, uma semana depois de receber o Atlético Bilbao pela final da Copa do Rei, resultados impressionantes para o técnico Luis Enrique em sua primeira temporada no comando do clube.

Mais um título espanhol

Justamente quando se podia pensar que Lionel Messi estava perdendo sua paixão pelo futebol, o argentino voltou a mostrar exuberância e um vasto repertório futebolístico para liderar a campanha vitoriosa do Barcelona, campeão espanhol neste domingo.

Um Messi rejuvenescido exibiu o melhor do seu futebol durante a segunda metade da temporada, fazendo sua parte no cada vez mais mortal trio ofensivo ao lado de Neymar de Luis Suárez, que catapultou o time catalão à sua quinta conquista de Campeonato Espanhol em sete anos.

O Barça deitou e rolou sobre seus adversários em todas as competições com imponentes 29 vitórias nas últimas 32 partidas desde a virada do ano, números que mantêm a equipe no caminho para repetir a façanha da tríplica coroa de 2009.

Messi iniciou 2015 abatido após uma temporada irregular para seus altos padrões, e parecia que havia muita tensão entre ele e o novo técnico Luis Enrique.

Fora dos gramados, ele mantinha uma relação tensa com o clube, intensificada por uma acusação de sonegação de impostos, sobre a qual ele acredita não ter recebido o devido apoio do Barcelona.

Enquanto isso, o Real Madrid voava em campo no Campeonato Espanhol, terminando 2014 com um recorde de 22 vitórias consecutivas, e o arquirrival de Messi, Cristiano Ronaldo, conquistando o prêmio de Melhor Jogador do Ano.

Quando o Barça perdeu seu primeiro jogo em janeiro para a Real Sociedad fora de casa, notícias de uma briga entre Messi e Luis Enrique deram corpo à richa e intensificaram o papo de “crise” no Camp Nou.

O argentino voltou atrasado de sua folga de Natal e ficou bravo ao ser substituido na partida em San Sebastian. No dia seguinte, Messi faltou ao treinamento alegando não estar bem.

No meio da tempestade, o clube tentava se recuperar da decisão da Fifa de proibir o Barça de contratar novos atletas por duas janelas de transferência, isso depois que foram desrespeitadas regras de contratação de jogadores estrangeiros sub-18.

 

A confusão levou à demissão do diretor esportivo Andoni Zubizarreta, e o presidente Josep Maria Bartomeu anunciou eleições para o fim da temporada.

No entanto, o clube encontrou seu caminho em meio ao caos com uma nova relação amigável entre Luis Enrique e Messi, enquanto a impaciência da torcida insatisfeita com os rumos do clube acabou amenizada com a notícia da convocação das eleições.

As peças do quebra-cabeça se encaixaram perfeitamente dentro das quatro linhas assim que Luis Enrique passou a adotar um novo esquema baseado nos contra-ataques.

Outra novidade foi Luis Suárez, que teve um início morno de temporada em outubro após sua suspensão pela mordida no italiano Giorgio Chiellini na Copa do Mundo de 2014. O uruguaio começou a se encontrar em campo e mostrar toda sua qualidade; ele e Neymar, então, passaram a ser as companhias perfeitas para Messi.

Enquanto o Barça se encontrava, o Real Madrid se perdia, com Cristiano Ronaldo incapaz de manter sua fase implacável que marcou o início da temporada, e sofrendo com lesões de jogadores importantes como Gareth Bale, Luka Modric e James Rodríguez.

A gota d’água foi no fim de março, quando o Barça ganhou o clássico e abriu quatro pontos na liderança da tabela, sem precisar, até hoje, olhar pelo retrovisor.

A partir daquele jogo com a Real Sociedad, Messi, que marcou o gol do título contra o Atletico de Madri neste domingo, disputou todas as partidas seguintes e Luis Enrique foi só elogios ao craque.

– Messi é o melhor do mundo sem dúvida e para mim é o melhor da história do futebol – disse ele recentemente.