Liga Árabe critica ameaça dos Estados Unidos contra a Síria

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 15 de abril de 2003 as 08:22, por: cdb

Os países árabes se uniram à Rússia e à União Européia nas críticas aos Estados Unidos por ter feito ameaças contra a Síria por conta da postura do país durante a guerra no Iraque.

O secretário-geral da Liga Árabe, Amr Musa, disse estar chocado com as ameaças americanas.

Se referindo à postura dos Estados Unidos, um porta-voz do presidente egípcio, Hosni Mubarak, disse que os países árabes não podem se transformar em alvos.

Os Estados Unidos disseram que poderiam adotar sanções econômicas e diplomáticas, entre outras, contra a Síria, caso o presidente Bashar Al-Assad não tomasse o que os americanos chamam de decisões certas.

Acusações

Washington acusa a Síria de dar refúgio a representantes do regime iraquiano, de desenvolver armas químicas e de apoiar o terrorismo.

Na segunda-feira, o secretário de Defesa dos Estados Unidos, Donald Rumsfeld, afirmou que o governo sírio fez testes de armas químicas nos últimos 15 meses.

A ministra das Relações Exteriores da Síria, Bouthana Shaaban, negou veementemente as alegações americanas, acrescentando que o “único país na região com armas químicas, biológicas e nucleares é Israel”.

O secretário-geral da ONU (Nações Unidas) Kofi Annan e a Rússia já tinham expressado seus temores em relação a recentes afirmações feitas sobre a Síria e que poderiam desestablizar ainda mais o Oriente Médio.

O primeiro-ministro britânico, Tony Blair, disse que o presidente Al-Assad lhe garantiu que a Síria iria tomar uma atitude quanto à fuga de membros do regime de Saddam Hussein pela fronteira entre os dois países.

O responsável pela política externa da União Européia, Javier Solana, pediu aos Estados Unidos que mudassem o tom de suas declarações contra a Síria, dizendo que era hora de diminuir a tensão.