Líderes extrativistas são assassinados em emboscada no Pará

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 24 de maio de 2011 as 19:40, por: cdb

Apesar de denunciarem as ameaças de morte, Zé da Castanha e sua esposa não receberam proteção e acabaram mortos por pistoleiros

 

24/05/2011

 

da Redação

 

Nesta terça-feira (24), dois líderes extrativistas foram assassinados em Nova Ipixuna, no Pará. José Cláudio Ribeiro da Silva, conhecido como Zé Castanha, e sua esposa Maria do Espírito Santo da Silva foram emboscados por pistoleiros em uma estrada.

O casal era líder dos assentados do Projeto Agroextrativista Praia Alta da Piranheira, onde vivem cerca de 500 famílias. Eles vinham sendo ameaçados de morte por madeireiros e carvoeiros há anos. No entanto, mesmo tendo denunciado as ameaças sofridas a autoridades nacionais e internacionais, nunca receberam proteção.

José Cláudio e Maria do Espírito Santo também eram integrantes do Conselho Nacional de Populações Extrativistas (CNS), ONG fundada por Chico Mendes, e lutavam pela preservação das florestas na Amazônia. Os camponeses viviam e produziam de forma sustentável em um lote de aproximadamente 20 hectares, dos quais 80% eram de floresta preservada.

O casal chegou a informar ao Ministério Público Federal de Marabá nomes de madeireiros de Jacundá e Nova Ipixuna que faziam pressão sobre os assentados e invadiam suas terras para retirar madeira ilegalmente.

As denúncias foram encaminhas à Polícia Federal e ao Ibama. Um inquérito foi aberto para investigar várias madeireiras da região e algumas vistorias chegaram a ser feitas pelo Ibama, que detectou a extração ilegal de madeira e interditou algumas serrarias.

 

Morte anunciada

Em nota, organizações e movimentos sociais do Pará manifestaram sua tristeza e revolta com a morte dos dois extrativistas. “Não bastasse a ameaça ser um martírio a torturar aos poucos mentes e corações revolucionários, ainda temos de presenciar sua concretude brutal?”, protestam.

Em um vídeo gravado recentemente, o líder camponês falava sobre as ameaças que vinha recebendo. “A mesma coisa que fizeram no Acre com Chico Mendes, querem fazer comigo. A mesma coisa que fizeram com a irmão Dorothy, querem fazer comigo. Eu posso estar hoje aqui conversando com vocês, daqui a um mês vocês podem saber a notícia que eu desapareci”, alertava Zé Castanha.

A presidenta Dilma Roussef determinou que o ministro Gilberto Carvalho, da secretaria-feral da Presidência da República, acompanhe as investigações dos assassinatos.

O Ministério Público Federal enviou ofício para a Polícia Federal pedindo que também acompanhe as investigações.

A Polícia Civil do Pará ainda não tem pistas dos assassinos e dos mandantes do crime. Zé Castanha teve uma de suas orelhas arrancada, podendo ter sido levada como prova do “serviço executado”, conforme informações da Comissão Pastoral da Terra (CPT).

Comments are closed.