Líder do PT no Senado descarta acordo sobre texto de Aécio Neves que trata de mudanças em tramitação de MPs

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 3 de junho de 2011 as 09:26, por: cdb

Marcos Chagas
Repórter da Agência Brasil

Brasília – O líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE), disse hoje (3) que a bancada dará total apoio à proposta de emenda à Constituição (PEC), de autoria do presidente da Casa, José Sarney (PMDB-AP), que altera o rito de tramitação das medidas provisórias. Costa descarta, entretanto, qualquer acordo sobre o texto aprovado pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), de autoria do senador Aécio Neves (PSDB-MG).

A proposta aprovada acaba com a vigência imediata das medidas provisórias e condiciona o andamento do texto do Executivo à aprovação por uma comissão mista do Congresso que vai avaliar a relevância e urgência da MP. “Isso nós não aceitaremos. Podemos negociar qualquer outro substitutivo à proposta original do presidente Sarney desde que não quebre a vigência imediata nem crie essa comissão especial”, disse o líder do PT, negando que o partido queira boicotar mudanças propostas pela atual legislatura.

Humberto Costa ressaltou que “a briga do PT não é com o presidente José Sarney, mas sim com a oposição”.

Hoje, Sarney afirmou que a mudança na atual regra de tramitação das medidas provisórias no Congresso “é uma coisa lógica”. Ele acrescentou que o Senado terá que dividir o tempo de apreciação das matérias para que sejam analisadas com tranquilidade pelos parlamentares. “Nós vamos fazer isso, tentar e levar à frente a ideia que é justa e necessária”, completou o presidente do Senado.

Caso seja mantida a atual regra, que prevê a tramitação das MPs por 60 dias prorrogáveis por mais 60, Sarney afirmou que novos impasses voltarão a ocorrer durante a votação. Na última quarta-feira (1º), três medidas provisórias perderam a validade por uma manobra da oposição que evitou votá-las no último dia que o Congresso teve para a apreciação. As matérias chegaram ao Senado a três dias de serem canceladas.

 

Edição: Lílian Beraldo