Líbia aceita pagar indenização por atentado terrorista

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 3 de setembro de 2004 as 09:56, por: cdb

A Líbia assinou na sexta-feira um acordo para pagar indenizações de 35 milhões de dólares para mais de 160 vítimas de um atentado ocorrido em uma boate da Alemanha em 1986.
A assinatura do acordo é mais um importante passo dado pelo país para sair de seu isolamento internacional.

O acordo, selado no mês passado e que deve melhorar as relações da Líbia com a União Européia (UE), foi assinado pelo dirigente da fundação de caridade do líder líbio, Muammar Kaddafi, e por advogados alemães que representavam as vítimas.

A Justiça da Alemanha decidiu em 2001 que o serviço secreto da Líbia era responsável pelo atentado ocorrido na boate La Belle, em Berlim Ocidental, um local frequentado por soldados norte-americanos. Dois soldados dos EUA e uma mulher turca foram mortos no atentado e mais de 200 pessoas ficaram feridas.

A indenização não cobre os danos sofridos pelas vítimas norte-americanas. Há um outro processo em andamento nos EUA para decidir sobre o valor do pagamento a ser feito para as vítimas e as famílias das vítimas do país.

Pelo acordo, a Líbia pagará o montante em três parcelas. A primeira parcela de 15 milhões será paga na próxima quarta-feira. Uma nova parcela, também de 15 milhões, sai em 1o de dezembro. O restante do valor deve ser pago em 1o de março de 2005, disseram autoridades.

O acordo significa mais um passo importante dado pela Líbia, que tenta colocar fim aos 30 anos de isolamento internacional, período durante o qual Kaddafi foi acusado de patrocinar o terrorismo.

Em dezembro passado, o país anunciou que abriria mão de suas armas de destruição em massa, dando início ao processo de reaproximação da comunidade internacional. Em 2003, a Líbia concordou com o pagamento de 2,7 bilhões de dólares para os familiares das vítimas do atentado de Lockerbie, ocorrido em 1988, e de 170 milhões de dólares pela derrubada de um avião comercial da França sobre Níger, em 1989.