Liberação da maconha no Canadá pode prejudicar comércio com EUA

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 2 de maio de 2003 as 17:42, por: cdb

Os Estados Unidos estão prontos para sacrificar o livre comércio com o Canadá, se necessário, para responder à descriminação da maconha naquele país, afirmou uma autoridade norte-americana nesta sexta-feira.

– Políticas que tornam as drogas mais disponíveis são contraproducentes, e nós teremos de preservar a integridade da nossa fronteira -, disse David Murray, assistente do czar da luta contra as drogas John Walters, à TV CBC.

O governo canadense planeja passar no próximo mês a lei que descrimina a posse e o cultivo de pequenas quantidades de maconha.

– Nós temos uma parceria que vem sendo mutuamente benéfica, com grande comércio. Oitenta e cinco das exportações canadenses vão para os Estados Unidos. Mas podemos ter de fazer sacrifícios pela integridade da fronteira, caso fique reconhecido que o tráfico de drogas esteja nos prejudicando -, disse Murray.

O embaixador dos EUA no Canadá, Paul Cellucci, pareceu um pouco mais conciliatório em suas considerações aos repórteres nesta sexta-feira, citando que algumas jurisdições nos EUA já descriminalizaram a maconha, mas concordou que o controle na fronteira deve ser intensificado.

Ele disse que não é possível determinar o efeito da descriminação sem saber, por exemplo, se o Canadá planeja endurecer as penas para quem cultivar a maconha.

– Se a percepção é de que será mais fácil conseguir maconha aqui, então isso pode levar a alguma pressão na fronteira, porque os funcionários da alfândega e da imigração dos EUA são policias, e eles ficarão mais alerta com as pessoas que entram nos EUA pelo Canadá – disse Cellucci.